Soldado lamenta ter vazado dados sigilosos dos EUA ao WikiLeaks

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Defesa tenta sentença mais branda que 90 anos retratando Manning como alguém em conflito com identidade sexual

O soldado norte-americano Bradley Manning se desculpou nesta quarta-feira por entregar segredos de Estado ao site WikiLeaks há três anos, no maior vazamento de dados sigilosos da história dos EUA, pedindo a uma juíza militar uma chance para ir à faculdade e se tornar um cidadão produtivo.

Dia 30: Manning é condenado por espionagem, roubo e fraude

AP
Em foto sem data fornecida pelo Exército dos EUA, Bradley Manning é visto com peruca e maquiagem. Foto foi enviada à terapeuta sob o título 'Meu problema'

Promotoria: Soldado que vazou documentos ao WikiLeaks traiu seu país

"Lamento ter ferido pessoas. Lamento ter ferido os EUA", disse o cadete do Exército, de 25 anos, na fase de sentença no tribunal militar. "Me desculpo pelos resultados inesperados de minhas ações. Os últimos três anos foram uma experiência de aprendizagem para mim", acrescentou.

Manning poderá ser condenado a até 90 anos de prisão por ter entregue mais de 700 mil documentos, vídeos de batalhas e despachos diplomáticos ao WikiLeaks, com os quais o site e seu fundador, Julian Assange, chegaram às manchetes do mundo inteiro.

A defesa de Manning busca uma sentença mais branda e tentou demonstrar à juíza que os superiores do soldado ignoraram seus sinais de estresse mental. Um psicólogo do Exército testemunhou que Manning, que é homossexual, sentia-se isolado por causa de um conflito interno com sua identidade sexual.

Lista: Relembre casos de outros delatores dos EUA

Em uma foto divulgada pelo Exército dos EUA, Manning posa com uma peruca e usando maquiagem. Na foto, que foi enviada a seu terapeuta militar em um email sob título "Meu problema", o cadete descreve seus problemas de gênero e expressa a esperança de que sua carreira militar "pudesse livrá-lo deles".

"Eu deveria ter trabalhado mais agressivamente dentro do sistema. Infelizmente, não posso voltar no tempo e mudar as coisas", disse Manning. "Entendo que devo pagar um preço pelas minhas decisões", acrescentou em suas primeiras declarações públicas desde fevereiro.

WikiLeaks: Bradley Manning se declara culpado de 'infrações leves'

AP
Soldado Bradley Manning (C) deixa sala de Justiça em Maryland (30/7)

O capitão Michael Worsley, que tratou de Manning entre dezembro de 2009 e maio de 2010 durante sua missão no Iraque, disse que a tensão que o soldado sentiu em seu trabalho como analista de inteligência de baixo nível foi agravado por estar em "um ambiente supermasculino" de zona de combate.

Manning foi considerado culpado de 20 crimes, incluindo espionagem e roubo, em 30 de julho. Ele foi declarado inocente da mais grave das acusações, de conluio o inimigo, o que teria implicado prisão perpétua.

Um porta-voz militar disse que a juíza, a coronel Denise Lind, poderia anunciar a sentença de Manning a partir da próxima semana. A promotoria, que argumentou que Manning era um soldado arrogante que ajudou militantes da Al-Qaeda e prejudicou os EUA com a divulgação dos documentos, terá a oportunidade de rebater a defesa na sexta-feira.

*Com Reuters e AP

Leia tudo sobre: bradley manningwikileaks

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas