Presidente buscará aprovação que o permita governar por decreto para afastar problema que afeta popularidade

Reuters

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro , disse que vai buscar a aprovação de uma lei que lhe conceda poderes especiais e permita governar por decreto para tentar combater a corrupção que tem afetado a sua popularidade.

Com escassez: Carros usados saem mais caros que novos na Venezuela

Presidente da Venezuela Nicolás Maduro faz gesto no Palácio Presidencial  Miraflores em Caracas
AP
Presidente da Venezuela Nicolás Maduro faz gesto no Palácio Presidencial Miraflores em Caracas

Eleição apertada: Auditoria rejeitada pela oposição confirma vitória de Maduro

Escassez: Venezuela estuda sistema para limitar compra de alimentos

O ex-presidente Hugo Chávez , que morreu em março , governou durante vários meses sob amparo de leis conhecidas como "habilitantes", que permitiam a ele baixar decretos sem a necessidade de aprovação pela Assembleia Nacional.

Desde que tomou posse há quatro meses, Maduro tem liderado uma "guerra contra a corrupção", em que 50 foram detidos nas última duas semanas. No entanto, nenhum ministro ou alto dirigente do partido governista foi detido até o momento.

Economia: Crise ameaça deixar Igreja sem vinho e hóstia na Venezuela

Após eleições: Com agendas opostas, TVs 'alimentam' tensão na Venezuela

Com a popularidade atingida pela alta inflação , o crime e a escassez de produtos, o sucessor de Chávez busca adotar a bandeira da luta contra a corrupção após uma apertada vitória na eleição de abril .

"Vou convocar uma emergência nacional na luta contra a corrupção e vou pedir poderes especiais para adotar um processo de reforma das leis e de mudança da institucionalidade", disse Maduro, em uma cerimônia pública transmitida em cadeia nacional de rádio e TV.

Mais: Crise de abastecimento provoca falta de papel higiênico na Venezuela

"Se é necessário mudar todas as leis para enfrentar a corrupção, irei fazer", acrescentou o presidente, de 50 anos.

Para conseguir uma lei habilitante, o governista precisa de três quintos do Parlamento, ou 99 deputados, e atualmente o governo conta com 98 parlamentares.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.