Maduro pedirá poderes especiais para combater corrupção na Venezuela

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente buscará aprovação que o permita governar por decreto para afastar problema que afeta popularidade

Reuters

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse que vai buscar a aprovação de uma lei que lhe conceda poderes especiais e permita governar por decreto para tentar combater a corrupção que tem afetado a sua popularidade.

Com escassez: Carros usados saem mais caros que novos na Venezuela

AP
Presidente da Venezuela Nicolás Maduro faz gesto no Palácio Presidencial Miraflores em Caracas

Eleição apertada: Auditoria rejeitada pela oposição confirma vitória de Maduro

Escassez: Venezuela estuda sistema para limitar compra de alimentos

O ex-presidente Hugo Chávez, que morreu em março, governou durante vários meses sob amparo de leis conhecidas como "habilitantes", que permitiam a ele baixar decretos sem a necessidade de aprovação pela Assembleia Nacional.

Desde que tomou posse há quatro meses, Maduro tem liderado uma "guerra contra a corrupção", em que 50 foram detidos nas última duas semanas. No entanto, nenhum ministro ou alto dirigente do partido governista foi detido até o momento.

Economia: Crise ameaça deixar Igreja sem vinho e hóstia na Venezuela

Após eleições: Com agendas opostas, TVs 'alimentam' tensão na Venezuela

Com a popularidade atingida pela alta inflação, o crime e a escassez de produtos, o sucessor de Chávez busca adotar a bandeira da luta contra a corrupção após uma apertada vitória na eleição de abril.

"Vou convocar uma emergência nacional na luta contra a corrupção e vou pedir poderes especiais para adotar um processo de reforma das leis e de mudança da institucionalidade", disse Maduro, em uma cerimônia pública transmitida em cadeia nacional de rádio e TV.

Mais: Crise de abastecimento provoca falta de papel higiênico na Venezuela

"Se é necessário mudar todas as leis para enfrentar a corrupção, irei fazer", acrescentou o presidente, de 50 anos.

Para conseguir uma lei habilitante, o governista precisa de três quintos do Parlamento, ou 99 deputados, e atualmente o governo conta com 98 parlamentares.

Leia tudo sobre: venezuelamadurocrise econômicacorrupção

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas