Candidatos de Cristina são derrotados em eleição primária na Argentina

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Candidatos da oposição venceram em todos os principais distritos, como as províncias de Buenos Aires e Córdoba

Reuters

Os candidatos da presidente da Argentina, Cristina Kirchner, sofreram uma dura derrota no domingo nas votações primárias para eleições parlamentares de outubro, um resultado que expõe a perda de popularidade da governante e afasta a possibilidade de uma reforma constitucional para ampliar o governo dela para além de 2015.

Domingo: Presidente da Argentina enfrenta teste em eleições primárias

AP
Presidente argentina Cristina Kirchner conversa com a imprensa após votar nas eleições primárias em Rio Gallegos (11/8)

Maio: Congresso da Argentina aprova polêmica reforma judicial

Candidatos da fragmentada oposição venceram em todos os principais distritos da Argentina, como as províncias de Buenos Aires, Córdoba, Santa Fé e Mendoza, e na Cidade de Buenos Aires, segundo resultados oficiais parciais.

Na crucial província de Buenos Aires, onde vivem cerca de 40% da população argentina, a chapa liderada pelo peronista de oposição Sergio Massa obteve vantagem de 6 pontos percentuais à frente dos candidatos apoiados por Cristina, com 51% das seções apuradas.

Uruguai: 'Essa velha é pior que o caolho', diz Mujica sobre Cristina Kirchner

"Os 'bonarenses' elegeram para outubro uma força política que os represente na luta contra a insegurança, que os represente na luta contra a inflação, que os representa na luta contra os impostos", disse Massa, comemorando a vitória.

O chamado "voto útil" nas eleições de outubro poderia ampliar ainda mais a vantagem de Massa, já que se espera uma confluência dos votos de oposição no candidato mais bem colocado nas primárias, o que pode colocar em risco o controle de Cristina no Congresso.

Rede social: Posições de Cristina no Twitter causam polêmica na Argentina

Os candidato a deputado pela facção peronista de Cristina, a Frente para a Vitória (FPV), obtiveram cerca de 25% dos votos em nível nacional, menos da metade do que tinham conseguido em 2011, quando a presidente foi reeleita.

Leia tudo sobre: argentinacristina kirchnerkirchner

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas