Ataque de drone mata supostos militantes da Al-Qaeda no Iêmen

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Nas últimas duas semanas, seis ataques com aviões não tripulados foram realizados no país deixando 29 mortos

Um avião não tripulado (drone) no Iêmen matou seis supostos militantes da Al-Qaeda nesta quinta-feira (8) em um dos antigos redutos do grupo em uma província central, informou uma autoridade do Exército à agência Associated Press.

Quarta: Iêmen diz ter frustrado plano da Al-Qaeda para atacar portos

Reuters
Soldado da polícia inspeciona van na entrada do aeroporto internacional de Sanaa, no Iêmen

De acordo com a rede CNN, entretanto, apenas quatro dos mortos eram militantes da rede terrorista, enquanto dois eram civis.

Após ameaça: EUA e Reino Unido retiram funcionários do Iêmen

EUA: Mensagens de líder da Al-Qaeda e franquia no Iêmen seria causa de alerta

O ataque - o sexto realizado por um drone supostamente americano nas últimas duas semanas - ocorre enquanto o Iêmen permanece em alerta após ameaças de um atentado terrorista contra interesses dos governos ocidentais e iemenitas.

Até agora, cerca de 29 supostos militantes foram mortos por aviões não tripulados americanos, em uma intensificação dos ataques de drones no Iêmen. Apesar dos EUA confirmarem seu programa de drones no Iêmen, o país não confirma os ataques individualmente nem divulga informações sobre quantos foram realizados.

Domingo: EUA fecham 22 missões diplomáticas por 'grave' ameaça terrorista

Sexta: EUA emitem alerta de viagem global por ameaça da Al-Qaeda

Uma autoridade iemenita disse que o ataque dessa quinta-feira ocorreu na província de Marib, e tinha como alvo um carro levando supostos militantes no distrito de Wadi Ubaidah, a cerca de 175 quilômetros a leste da capital, Sanaa.

Segundo a fonte ouvida pela CNN, o ataque teve como alvo dois carros diferentes. Dos seis supostos militantes mortos, ao menos cinco eram iemenitas.

Na terça-feira, os EUA e o Reino Unido retiraram parte de seus funcionários do Iêmen, depois de terem fechado embaixadas em cidades do Oriente Médio e África.

Até sábado: EUA mantêm fechadas missões diplomáticas em 19 cidades

Leia também: Saiba mais sobre a Al-Qaeda da Península Arábica

A razão para o raro fechamento de missões diplomáticas foi, segundo fontes, uma mensagem secreta do chefe da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahri, para Nasir al-Wuhayshi, líder da franquia da rede terrorista baseada no Iêmen e na Península Arábica, sobre planos de um grande ataque terrorista que foi interceptada recentemente pelo governo americano.

Na quarta, autoridades de segurança do Iêmen disseram ter frustrado um audacioso plano da Al-Qaeda para capturar instalações de petróleo e gás além de tomar dois portos ao sul do país.

É altamente incomum que líderes graduados da Al-Qaeda no Paquistão, onde Zawahri está baseado, discutam questões operacionais com afiliadas do grupo, então quando as interceptações entre os dois líderes graduados foram coletadas e analisadas na semana passada, autoridades na CIA, no Departamento de Estado e na Casa Branca imediatamente notaram que eram importantes. Membros do Congresso rapidamente receberam informações sobre o caso, disseram funcionários americanos.

Awlaki: Clérigo ligado à Al-Qaeda e nascido nos EUA é morto no Iêmen

A Al-Qaeda na Península Arábica tentou lançar vários ataques em anos recentes. Uma delas foi a tentativa de explodir um avião transatlântico sobre Detroit em 25 de dezembro de 2009 com explosivos costurados na cueca de um passageiro. Meses antes, o grupo tentou matar um chefe de inteligência saudita com uma bomba implantada cirurgicamente no corpo do agressor.

Com AP

Leia tudo sobre: iêmenreino unidoeuaembaixadazawahriterrorismowuhayshi

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas