EUA confirmam encontro na sexta com russos apesar de asilo a Snowden

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

EUA, porém, ainda deixam em dúvida se Obama manterá reunião de cúpula em Moscou prevista para setembro

Reuters

Os EUA manterão conversações com os ministros russos da Defesa e de Relações Exteriores em Washington na sexta-feira, apesar da decisão de Moscou de conceder asilo ao ex-funcionário de uma prestadora de serviços da Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês) Edward Snowden, disseram autoridades dos EUA nesta terça-feira.

Putin: Relações com EUA são mais importantes que rixas sobre Snowden

AP
Reprodução de imagem de TV mostra o ex-analista da CIA Edward Snowden (de costas, de mochila) saindo do Aeroporto de Sheremetyevo, na Rússia (1/8)

NYT: Chat criptografado e reunião secreta possibilitaram expor programa

O Departamento de Estado, confirmando informação da Reuters, disse que as negociações seguirão adiante e que o caso Snowden estará entre as questões levantadas quando o secretário de Estado, John Kerry, e o secretário de Defesa, Chuck Hagel, se encontrarem com seus homólogos russos.

"Nós falamos sobre o senhor Snowden com autoridades russas muitas vezes nas últimas semanas. Esperamos fazê-lo novamente", afirmou o porta-voz do Departamento de Estado Jen Psaki. "Gostaríamos de ver o Sr. Snowden voltar para os EUA. Eu não sei tecnicamente o que é exigido para isso, mas sabemos que eles têm a capacidade de fazê-lo."

Esses comentários aconteceram num momento em que a Reuters obteve a informação de que o pai de Snowden, Lon, planeja ir a Moscou em breve.

Traidor ou herói: Delator dos EUA abre debate sobre limites da guerra ao terror

"Não temos uma data definida ainda, mas estamos trabalhando em estreita colaboração com Anatoly Kucherena, advogado de Ed Snowden, sobre a definição de uma data definitiva que será em algum momento de agosto", disse Mattie Fein, um representante de Lon Snowden, à Reuters.

A decisão de Moscou de rejeitar os apelos dos EUA para entregar Snowden levou o presidente americano, Barack Obama, a repensar a possibilidade de realizar uma reunião de cúpula em Moscou com o presidente russo, Vladimir Putin, no próximo mês.

Junho: Putin rejeita extradição e diz que Snowden é livre para ir aonde quiser

O asilo concedido a Snowden na Rússia também colocou em dúvida as chamadas negociações "2+2" desta semana entre autoridades dos EUA e da Rússia.

Os EUA parecem tentar evitar a deterioração dos laços com sua antiga rival da Guerra Fria ao seguir em frente com algumas conversações de alto escalão com a Rússia, enquanto deixa a participação de Obama na cúpula em dúvida.

Denúncias pelo vazamento de Snowden:
Brasil: Leia todas as notícias sobre a espionagem no Brasil
Bild: Espionagem alemã usou dados de monitoramento dos EUA
Monitoramento: EUA mantêm ampla base de dados telefônicos
Prism: EUA coletam dados de nove empresas de internet
Jornal: EUA podem usar dados de inteligência sem mandado
Anfitrião: Reino Unido espionou autoridades do G20 em 2009
Guerra cibernética: EUA espionam computadores da China
Diplomatas: Europa exige respostas sobre supostos grampos dos EUA
XKeyscore: Ferramenta permite monitoramento em tempo real

A piora nas relações entre EUA e Rússia poderia tornar ainda mais difícil para as duas nações organizar qualquer tipo de solução política na Síria, por exemplo. Há também preocupações em Washington de que a Rússia pode romper com os países ocidentais que procuram coibir as ambições nucleares do Irã por meio de duras sanções.

Psaki disse que a Síria fará parte das conversações, assim como o programa nuclear iraniano. O vice-chanceler russo, Sergei Ryabkov, criticou a suposta hesitação dos EUA sobre a necessidade de contato de alto nível entre os dois países. "Parece-me que essa é uma distorção total da realidade. Isso é ver o mundo através de uma lente distorcida", disse Ryabkov, segundo a agência de notícias Interfax.

Após Venezuela e Nicarágua: Bolívia oferece asilo a delator dos EUA

Negativa: Patriota diz que Brasil não dará asilo político a delator dos EUA

Snowden passou mais de cinco semanas em um aeroporto de Moscou durante a tentativa de encontrar uma nação que o recebesse. Os EUA queriam que ele voltasse ao país para enfrentar acusações de vazamento para a mídia de um amplo programa de vigilância da NSA.

Leia tudo sobre: euarússiasnowdenregistros da internetregistros da verizonnsa

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas