Água radioativa de Fukushima cria situação de 'emergência', diz Japão

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Operadora de usina atômica tem dificuldade de resolver vazamento de água contaminada do lençol freático

Reuters

Água altamente radiativa vazou da usina de Fukushima para o mar, criando uma situação de emergência que a empresa dona da usina tem dificuldades para resolver, disse um funcionário da agência nuclear japonesa nesta segunda-feira.

NYT: Contratempos evidenciam fragilidade de usina nuclear Fukushima

AP
Prédio danificado de Reator 4 é visto na usina de Fukushima, Japão (12/11/2011)

Comissão do Japão: Erros humanos causaram crise nuclear de Fukushima

A água contaminada no lençol freático está subindo para a superfície e excedendo os limites legais de descarga radiativa, disse à Reuters Shinji Kinjo, diretor da força-tarefa da Autoridade Reguladora Nuclear do Japão.

As medidas adotadas pela empresa Tokyo Electric Power Co. (Tepco) são apenas uma solução temporária, segundo ele. "Neste momento, temos uma emergência", afirmou.

Anatomia: Acidente em Fukushima causa mutação em borboletas

A Tepco foi muito criticada por não ter se preparado adequadamente para situações como o terremoto seguido de tsunami que destruiu a usina de Fukushima em 2011. A empresa também foi acusada de tentar acobertar suas falhas e de reagir de forma incompetente ao derretimento dos reatores.

Não ficou claro qual é o nível de ameaça representado pela água contaminada no lençol freático. Nas primeiras semanas depois do desastre, o governo japonês autorizou a Tepco a despejar dezenas de milhares de toneladas de água contaminada no Pacífico.

Junho: Aumento de radiação preocupa pescadores de Fukushima

Países vizinhos e pescadores locais criticaram a decisão, e a Tepco prometeu que não jogaria mais água radiativa no mar sem o consentimento de autoridades municipais da região.

9.650 km: Atum com radiação de Fukushima cruza o Pacífico e chega aos EUA

Contaminação: Peixes em Fukushima têm radiação até 380 vezes acima do limite

"Até sabermos exatamente a densidade e volume da água que está fluindo, honestamente não posso especular sobre o impacto no mar", disse Mitsuo Uematsu, do Instituto Centro para a Colaboração Internacional e Pesquisa Atmosférica e Oceânica, da Universidade de Tóquio.

"Deveríamos verificar também quais são os níveis na água do mar. Se for só dentro do porto e não estiver escoando para o mar, ela pode não se espalhar tanto quanto temem alguns."

2011: Fukushima registra maior contaminação marinha da história

A Tepco disse estar adotando várias medidas para que a água contaminada não saia da baía próxima à usina. Em email à Reuters, a empresa disse que a Tepco se desculpou profusamente com moradores da região de Fukushima por causa dos inconvenientes e preocupações causados pelo caso.

A usina bombeia diariamente 400 toneladas de água que escorre pelo lençol freático dos morros próximos à usina. A água é guardada em porões dos prédios destruídos, onde se mistura à agua altamente radiativa que é usada para resfriar os reatores e mantê-los em um estado estável, abaixo de 100 graus Celsius.

Leia tudo sobre: fukushimajapãocrise nuclearradiação

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas