Após sofrer ofensas, ministra negra desiste de debate na Itália

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Cecile Kyenge participaria de discussão sobre concessão de cidadania para imigrantes com partido Liga Norte

Reuters

A primeira ministra negra da Itália cancelou sua participação em um debate com o partido anti-imigração Liga Norte, depois que seu líder se recusou a condenar os insultos proferidos por membos do partido contra ela.

Leia: Vice-presidente do Senado italiano compara ministra negra a um orangotango

REUTERS/Tony Gentile
Ministra da Itália Cecile Kyenge foi comparada a um orangotango por vice-presidente do Senado

Saiba mais: Primeira ministra negra da Itália enfrenta ofensas racistas

A ministra da Integração, Cecile Kyenge, que deseja facilitar a concessão de cidadania italiana a imigrantes, discutiria o assunto no sábado (3) com o governador da região do Vêneto, Luca Zaia, durante um evento da Liga Norte perto de Cervia, na costa do Adriático.

Na sexta-feira passada, Cecile, cidadã italiana de origem congolesa, discursava em um ato público em Cervia quando um espectador atirou bananas em sua direção, poucas semanas depois de um senador da Liga Norte tê-la comparado a um orangotango.

Palanque: Manifestante atira bananas contra primeira ministra negra da Itália

Não se sabe quem atirou as bananas, que não acertaram o palanque. Promotores abriram uma investigação sobre o caso.

Nesta semana, Cecile exigiu que o líder da Liga Norte, Roberto Maroni, se manifestasse contra os insultos, depois que vereadores do partido em Cantu, ao norte de Milão, deixaram uma reunião em protesto contra a participação dela.

O primeiro-ministro da Itália, Enrico Letta, também exigiu providências da Liga Norte, afirmando que os insultos prejudicam a imagem internacional da Itália.

Leia mais: Premiê italiano transfere subsecretária que acusou gays de 'formar panelas'

Maroni recusou-se a se manifestar e, por isso, na quinta-feira, o gabinete de Cecile disse que ela não participaria mais do debate sobre a imigração. O gabinete disse que ela "continua aberta ao diálogo e ao confronto, desde que existam as condições corretas para isso".

Leia tudo sobre: itáliaministracecile kyengeletta

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas