Condutor de trem espanhol falava ao telefone quando trem descarrilou a 153 km/h

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Gravação indica que maquinista recebia instruções e freou poucos segundos antes de curva que permite 80 km/h

O condutor do trem que descarrilou no norte da Espanha na semana passada, deixando 79 mortos, falava ao telefone da cabine com a operadora estatal Renfe no momento do acidente e aparentemente consultava um documento, afirmou um tribunal nesta terça-feira depois de analisar o dispositivo de gravação de dados do trem. Dos 66 feridos ainda internados, 15 estão em condição crítica.

Na Espanha: Itamaraty confirma morte de mais um brasileiro em acidente de trem

AP
Montagem com imagens de câmera de segurança mostra, em sentido horário da E para D, descarrilamento de trem em Santiago de Compostela, Espanha (24/7)

Dia 26: Brasileiro está entre mortos do acidente de trem na Espanha

Saiba mais: Leia todas as notícias sobre o acidente de trem na Espanha

O trem de alta velocidade descarrilou e pegou fogo depois de bater em uma parede de concreto ao chegar a Santiago de Compostela, na região da Galícia. O impacto foi tão forte que um dos oito vagões foi jogado vários metros sobre um aterro.

O acidente impôs uma sombra sobre Santiago de Compostela, no noroeste espanhol, e também sobre o resto do país, com membros da realeza e líderes políticos se unindo a centenas na catedral de 12 séculos da cidade na segunda para homenagear os mortos.

Segunda: Espanha homenageia vítimas de acidente de trem em missa

A leitura inicial da chamada caixa-preta, divulgada pelo tribunal que investiga o caso, também mostrou que o trem viajava a 192 km/h nos minutos anteriores ao descarrilamento em uma curva em que a velocidade é limitada a 80 km/h.

Vídeo mostra momento em que trem descarrila na Espanha:

O trem de oito vagões desacelerou para 153 km/h no momento do acidente, após um freio ter sido acionado segundos antes, mostrou a caixa-preta. O maquinista Francisco Garzón, de 52 anos, foi libertado da custódia da polícia no domingo e aguardará o julgamento sob a acusação de homicídio por negligência.

Segunda: Condutor de trem que descarrilou na Espanha é acusado de homicídio

Veja: Vídeo mostra cenário de destruição após acidente de trem na Espanha

De acordo com a investigação feita até agora, Garzón recebeu uma chamada de um funcionário da Renfe para avisá-lo sobre qual abordagem adotar em direção a seu destino final. "A partir do conteúdo da conversa e do som de fundo é possível inferir que o maquinista consultava um plano ou documento similar de papel."

O juiz que cuida do caso, Luis Alaez, interrogou Garzón em uma audiência de duas horas a portas fechadas no domingo. A imprensa local afirmou que o maquinista admitiu ter entrado na curva muito rapidamente, dizendo que teve um lapso momentâneo e esqueceu em que parte dos trilhos estava. Ainda assim, os pesquisadores investigam se o sistema de segurança do trem também seria responsável.

Antes de acidente de trem na Espanha: 'Vou a 190 km/h!', disse maquinista

Hipótese: Sistema de freio antigo pode ter contribuído para acidente

O desastre aconteceu a poucos quilômetros da estação de Santiago de Compostela, em uma parte dos trilhos onde cabe ao maquinista prestar atenção aos sinais automáticos na cabine para reduzir a velocidade a 80 km/h depois de sair de um trecho em que a velocidade pode chegar a até 200 km/h. O juiz ordenou que Garzón entregue seu passaporte e se apresente semanalmente no tribunal.

Policiais fazem guarda enquanto condutor Francisco José Garzón Amo deixa o tribunal após sua libertação em Santiago de Compostela (28/7). Foto: APParte externa do trem é vista no local do acidente em Santiago de Compostela, noroeste da Espanha (26/7). Foto: ReutersParentes de vítimas de acidente de trem em Santiago de Compostela, na Espanha, reagem ao receber notícias (25/7). Foto: APBombeiros e equipes de resgate inspecionam vagão no local de acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha. Foto: APVagões descarrilados são removidos com guindastes dos trilhos em Santiago de Compostela, Espanha (25/7). Foto: APMulher reage em posto de informações para familiares montado após acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha. Foto: APPrimeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, visita local de acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha (25/7). Foto: APCondutor do trem Francisco José Garzón Amo recebe ajuda de dois homens ao ser retirado do local do acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: APEquipes respondem à situação de emergência após descarrilamento de trem em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: APFerida é retira de vagão após acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: APEquipes de emergência atendem vítimas de descarrilamento de trem em Santiago de Compostela, na Espanha (24/7). Foto: APDescarrilamento de trem em Santiago de Compostela é o pior acidente do tipo em 40 anos (24/7). Foto: APEquipes respondem à situação de emergência após descarrilamento de trem em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: APEquipes de emergência comparecem a local onde trem descarrilou em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: APEquipes de emergência atendem vítimas de descarrilamento de trem em Santiago de Compostela, na Espanha (24/7). Foto: APAcidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha, deixou mortos e dezenas de feridos (24/7). Foto: Alén Pérez/ TwitterEquipes de resgate trabalham para retirar vítimas de um trem após descarrilamento em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: ReutersTrem descarrila em Santiago de Compostela, na Espanha (24/7). Foto: Alén Pérez/ TwitterO trem, que levava ao menos 240 passageiros, descarrilou na curva mais fechada do trajeto (24/7). Foto: Alén Pérez/TwitterImagem reproduzida de vídeo mostra vagões destruídos após acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: Reprodução

O trem Alvia envolvido no acidente, um dos três tipos que a Espanha usa para o serviço ferroviário de alta velocidade, recebeu uma verificação de manutenção completa na manhã da viagem, disse o chefe da empresa ferroviária Renfe, e os sistemas de segurança estavam em boas condições.

Testemunho: Sobreviventes relatam ter ficado 'rodeados de mortos'

Os trens Alvia rodam tanto em ferrovias tradicionais, onde os maquinistas recebem sinais de alerta para reduzir a velocidade, e em trilhos de alta velocidade, onde um sistema de segurança mais sofisticado diminui automaticamente os trens que estão indo rápido demais.

*Com Reuters e AP

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas