Israel aprova libertação de árabes para reiniciar negociações de paz

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Decisão pode encerrar quase três anos de estagnação diplomática entre israelenses e palestinos

Reuters

O gabinete de Israel aprovou neste domingo (28) a libertação de 104 prisioneiros árabes, a fim de ajudar a reiniciar as negociações de paz com os palestinos e encerrar quase três anos de estagnação diplomática.

AP
Palestinos caminham em direção a posto de controle de Israel em seu percurso para as preces na Mesquita de Al-Aqsa, Jerusalém, no mês do Ramadã (26/7)

Treze ministros do gabinete de coalizão do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu votaram a favor da liberação, sete votaram contra e dois se abstiveram, segundo um funcionário do governo. "O gabinete autorizou a abertura de negociações diplomáticas entre Israel e os palestinos ", disse um comunicado emitido pelo gabinete do primeiro-ministro.

Veja também:

Paz com palestinos é urgente necessidade estratégica para Israel
EUA pressionam por paz entre Israel e palestinos em meio à tensão regional

Netanyahu já havia conversado com direitistas divididos em seu gabinete sobre apoiar a libertação de prisioneiros. Ele ainda adiou a reunião semanal dos ministros em uma hora para garantir uma maioria de votos a favor.

"Este momento não é fácil para mim, não é fácil para o gabinete de ministros, e não é fácil, especialmente, para as famílias em luto, cujos sentimentos eu entendo", disse Netanyahu no início da reunião, referindo-se às famílias que perderam membros em ataques de militantes. "Mas há momentos em que decisões difíceis devem ser tomadas para o bem da nação, e este é um deles", conclui.

Secretário dos EUA: Negociações entre Israel e palestinos estão 'ao alcance'

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, exigiu a libertação de prisioneiros detidos desde antes de um acordo de paz provisório de 1993 entrar em vigor. Israel prendeu milhares palestinos desde então, muitos por terem realizado ataques mortais.

Leia tudo sobre: israelpalestinaoriente médio

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas