Condutor de trem espanhol que descarrilou deixa hospital sob custódia

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Francisco Garzón é suspeito de "ter uma eventual responsabilidade" pelo acidente que deixou 78 mortos

O condutor do trem que descarrilou no noroeste da Espanha, na última quarta-feira (24), matando 78 pessoas, recebeu alta do hospital neste sábado (27), mas permanecia sob custódia da polícia antes de apresentar-se perante um juiz para ser interrogado.

Francisco José Garzón Amo, de 52 anos, recebeu tratamento para um ferimento na cabeça em consequência do acidente. Segundo o chefe da polícia federal para a região da Galícia, Jaime Iglesias, o condutor não pôde dar declarações antes por causa da sua condição médica.

Assista: Vídeo mostra momento em que trem descarrila na Espanha

AP
Condutor do trem Francisco José Garzón Amo recebe ajuda de dois homens ao ser retirado do local do acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha












Revisão: Polícia rebaixa número de mortos de 80 para 78 na Espanha

"Ele foi preso sob acusação de homicídio por imprudência", disse o ministro do interior espanhol, Jorge Fernández Diaz, em um quartel da polícia em Santiago de Compostela, cidade próxima do local onde ocorreu o descarrilamento.

"Há evidências que nos levam a crer que o condutor pode ter uma eventual responsabilidade", disse o ministro à jornalistas. Fernandez Diaz afirma que Garzon se apresentará a um juiz na tarde deste domingo (28) e que ele tem o direito de permanecer calado, "embora ele possa mudar de ideia sobre isso", disse o ministro.

Antes de acidente de trem: 'Vou a 190 km/h!', disse maquinista

Policiais fazem guarda enquanto condutor Francisco José Garzón Amo deixa o tribunal após sua libertação em Santiago de Compostela (28/7). Foto: APParte externa do trem é vista no local do acidente em Santiago de Compostela, noroeste da Espanha (26/7). Foto: ReutersParentes de vítimas de acidente de trem em Santiago de Compostela, na Espanha, reagem ao receber notícias (25/7). Foto: APBombeiros e equipes de resgate inspecionam vagão no local de acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha. Foto: APVagões descarrilados são removidos com guindastes dos trilhos em Santiago de Compostela, Espanha (25/7). Foto: APMulher reage em posto de informações para familiares montado após acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha. Foto: APPrimeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, visita local de acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha (25/7). Foto: APCondutor do trem Francisco José Garzón Amo recebe ajuda de dois homens ao ser retirado do local do acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: APEquipes respondem à situação de emergência após descarrilamento de trem em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: APFerida é retira de vagão após acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: APEquipes de emergência atendem vítimas de descarrilamento de trem em Santiago de Compostela, na Espanha (24/7). Foto: APDescarrilamento de trem em Santiago de Compostela é o pior acidente do tipo em 40 anos (24/7). Foto: APEquipes respondem à situação de emergência após descarrilamento de trem em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: APEquipes de emergência comparecem a local onde trem descarrilou em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: APEquipes de emergência atendem vítimas de descarrilamento de trem em Santiago de Compostela, na Espanha (24/7). Foto: APAcidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha, deixou mortos e dezenas de feridos (24/7). Foto: Alén Pérez/ TwitterEquipes de resgate trabalham para retirar vítimas de um trem após descarrilamento em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: ReutersTrem descarrila em Santiago de Compostela, na Espanha (24/7). Foto: Alén Pérez/ TwitterO trem, que levava ao menos 240 passageiros, descarrilou na curva mais fechada do trajeto (24/7). Foto: Alén Pérez/TwitterImagem reproduzida de vídeo mostra vagões destruídos após acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: Reprodução

A polícia já havia afirmado que Garzon, que está detido desde quinta-feira, era suspeito de "imprudência" por dirigir o trem em uma velocidade alta demais em uma curva nas imediações de Santiago.

Os sobreviventes e famílias das vítimas do acidente de trem mais grave em décadas na Espanha estavam desesperados por respostas três dias depois de o trem descarrilar em uma acentuada curva, tendo se chocado contra uma parede de concreto.

Vários corpos ainda não foram identificados e dezenas de feridos estão no hospital em estado de saúde grave.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas