Câmara dos EUA rejeita barrar programa de monitoramento telefônico do governo

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Agência recebe aval para manter coleta de centenas de milhões de registros telefônicos de cidadãos americanos

Por margem estreita, a Câmara de Representantes dos EUA rejeitou nesta quarta-feira um desafio à compilação feita pela Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês) de centenas de milhões de registros telefônicos de americanos depois de um duro debate em que se contrapuseram os direitos à privacidade e os esforços do governo para combater o terrorismo.

Monitoramento: EUA mantêm ampla base de dados de ligações telefônicas

AP
Placa do lado de fora do gabinete da Agência de Segurança Nacional (NSA) (foto de arquivo)

A votação de 217 a 205 da noite desta quarta provavelmente não será a palavra final sobre a intrusão do governo para defender a nação e as liberdades civis americanas.

A discussão marcou a primeira chance dos legisladores de tomar uma posição sobre o programa de monitoramento desde que o ex-analista de sistemas de uma prestadora de serviços da NSA Edward Snowden vazou documentos ultrassecretos no mês passado, revelando o escopo monumental das atividades do governo.

Advogado: Snowden vai permanecer no aeroporto de Moscou por enquanto

Traidor ou herói: Delator dos EUA abre debate sobre limites da guerra ao terror

O deputado republicano Justin Amash desafiou o programa classificando-o como uma coleta indiscriminada de registros telefônicos, dizendo que sua medida tinha o objetivo de defender a Constituição dos EUA e "a privacidade de cada americano".

Sua medida, oferecida como uma emenda ao projeto de lei de gastos com Defesa de US$ 598,3 bilhões para 2014, teria cancelado a autoridade do programa da NSA, pondo fim à habilidade da agência de coletar registros telefônicos e metadados sob o Ato Patriótico, aprovado após os ataques do 11 de Setembro, sem a identificação de um indivíduo sob investigação. Posteriormente, a Câmara aprovou todo o projeto de lei de Defesa por 315 a 109.

Análise: Antes ambivalente, Obama manteve abordagem de Bush para defesa 

A questão criou incomuns coalizões políticas em Washington, com o governo de Barack Obama, líderes de segurança nacional no Congresso e o establishment republicano se opondo a conservadores de tendência libertária e a alguns democratas liberais.

A medida enfrenta forte oposição no Senado e da Casa Branca, e provavelmente não sobreviverá no projeto de lei final de gastos.

Chefe de inteligência: Programa de monitoramento dos EUA evitou ataques

Proponentes dos programas da NSA argumentam que as operações de monitoramento foram bem-sucedidas em evitar ao menos 50 conspirações terroristas em 20 países, incluindo de 10 a 12 nos EUA, sendo uma delas um plano de ataque contra a Bolsa de Valores de Nova York.

*Com AP

Leia tudo sobre: nsaregistros da verizon

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas