Direita chilena escolhe candidata presidencial sob ecos do passado

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Evelyn Matthei disputará com Michelle Bachelet; pais das candidatas estiveram em lados opostos na ditadura militar

Reuters

O bloco direitista chileno anunciou que a ex-ministra do Trabalho Evelyn Matthei será sua candidata presidencial, em uma corrida que contraporá duas mulheres cujos pais já estiveram em lados opostos no cenário político dos anos 1970.

Mais: Ex-ministro da Defesa descarta ser o candidato da direita em eleição no Chile

AP
Evelyn Matthei, candidata à presidência pelo bloco da direita, conversa com partidários em Santiago, Chile

Longueira: Problema de saúde faz governista abandonar corrida presidencial

A fragmentada Aliança, reunindo partidos de direita, precisou encontrar um novo nome às pressas depois da inesperada renúncia do ex-favorito Pablo Longueira, por motivo de saúde. Com essa reviravolta, a popular ex-presidente Michelle Bachelet, socialista, tem grandes chances de voltar ao cargo na eleição de novembro.

O partido Renovação Nacional (RN, de centro-direita), antes avesso à candidatura de Matthei, anunciou na noite de terça-feira que decidiu apoiar a indicação da economista, escolhida no sábado pela conservadora União Democrata Independente (UDI).

Ex-presidente: Bachelet volta ao Chile para disputar eleição presidencial

"Nosso bloco passou por tempos difíceis nestes últimos meses, e é maravilhoso que finalmente... estejamos colocando a nobreza em primeiro lugar e pensando em nosso país", disse Matthei a jornalistas depois de receber o aval da coalizão.

Matthei e Bachelet aparentemente se conhecem desde a infância, pois ambas são filhas de brigadeiros da Força Aérea. O pai da ex-presidente manteve-se leal ao presidente socialista Salvador Allende, derrubado no golpe militar de 1973. Preso e torturado, ele morreu na prisão, meses depois. Já o pai de Matthei participou da junta militar formada pelo general Augusto Pinochet depois do golpe.

A Aliança corria o risco de ir dividida às urnas, mas na terça-feira o ex-ministro da Defesa Andrés Allamand anunciou que não concorreria.

Twitter: Embaixada dos EUA se desculpa por ironia sobre Bachelet

Matthei ainda não divulgou seu programa de governo, mas ela em geral apoia as políticas econômicas conservadoras do presidente Sebastián Piñera, e já disse ser contra o ensino universitário gratuito.

Dado o favoritismo eleitoral de Bachelet, que é pediatra de formação, a direita provavelmente concentrará seus esforços na formação de uma grande bancada parlamentar, na esperança de frear as ambiciosas propostas dela no sentido de taxar grandes empresas e promover o ensino universal gratuito.

Leia tudo sobre: eleições no chilechilebacheletmatthei

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas