Polícia procura diretora após contaminação de merenda escolar com pesticidas

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Alimentos e óleo contaminados com substância usada na agricultura mataram 23 crianças na semana passada

Uma semana depois de uma escola indiana servir comida contaminada para os estudantes, deixando 23 mortos, a diretora da instituição continua desaparecida juntamente com seu marido, disse a polícia nesta terça-feira à rede de TV CNN.

Dia 16: Merenda escolar contaminada mata crianças na Índia

AP
Crianças indianas que adoeceram após comer merenda escolar em escola rural são tratadas em hospital de Patna, Índia (20/07)

Após mortes: Índia investigará programa alimentar de escolas

De acordo com a rede de TV americana, uma equipe de nove membros foi formada para investigar e rastrear a diretora Meena Kumari, informou o superintendente policial Sujeet Kumar. A presença da polícia é forte na vila no Estado de Bihar, especialmente ao redor da casa dela.

Autoridades registraram os depoimentos de 40 testemunhas, incluindo crianças sobreviventes da merenda escolar contaminada em 16 de julho, informou Kumar. Em fúria, residentes se manifestaram violentamente um dia depois, ateando fogo em quatro carros de polícia.

Em atos de protesto, pais de ao menos três crianças enterraram seus filhos perto da escola - um diretamente em frente do prédio, de acordo com autoridades.

A polícia garantirá a segurança da diretora quando ela reaparecer ou for levada sob custódia para interrogatório, disseram as autoridades.

Leia: Merenda escolar contaminada na Índia continha pesticida concentrado

Pesticidas foram encontrados nos alimentos e no óleo usados na merenda escolar que adoeceu outros 25 alunos no dia 16. Cientistas forenses encontraram monocrotofós, um composto organofosforado usado em um inseticida, "nas amostras de óleo da garrafa, nos restos de comida do prato e na mistura de arroz com vegetais em um utensílio de alumínio", disse o diretor-assistente geral Ravinder Kumar em Patna.

Monocrotofós, que são usados com propósitos de agricultura, são tóxicos para os humanos. A cozinheira Manju Devi foi internada depois de comer a comida que havia preparado, disseram os médicos.

Devi disse à polícia que a diretora desconsiderou seu alerta de que o óleo de mostarda usado no preparo do almoço tinha uma aparência e um odor ruins. Em vez disso, a diretora insistiu que ela continuasse preparando a refeição, afirmaram autoridades.

Uma investigação descobriu pouca higiene e medidas sanitárias na escola, que funcionava em uma construção improvisada de um único cômodo.

Especialistas disseram que as mortes destacavam o problema de segruança alimentar no país e estimularam discussões sobre como melhorar os programas alimentares escolares em meio às informações de que as autoridades alertaram há meses sobre os problemas relacionados com o programa de merenda do Estado.

Autoridades in Bihar - um dos Estados mais pobres da Índia - anunciaram que um comitê seria formado para melhorar a preparação dos alimentos nas escolas rurais.

Os alunos de Bihar, com idades entre 5 e 12 anos, começaram a vomitar logo depois da primeira mordida; alguns desmairam, disseram autoridades.

Segundo o governo indiano, quase metade das crianças indianas são malnutridas. Desde uma decisão da Suprema Corte em 2001, as escolas do governo são ordenadas a oferecer alimentação gratuita a estudantes com menos de 13 anos.

Leia tudo sobre: índiamerenda escolarcontaminaçãobihar

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas