Candidato de Nova York rejeita desistir de eleição após mensagens sexuais online

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Apelidado de 'deputado da cueca' por escândalo similar em 2011, Weiner enviou fotos explícitas à mulher de 22 anos

Anthony Weiner, um dos principais candidatos à prefeitura da cidade de Nova York, descartou nesta terça-feira desistir da disputa eleitoral apesar de novas correspondência explícitas com uma mulher - uma troca de mensagens que disse ter sido iniciada meses depois de ele renunciar ao Congresso dos EUA por um comportamento similar.

2011: Deputado da cueca renuncia à Câmara dos EUA

AP
Candidato à prefeitura de Nova York Anthony Weiner é visto do lado de sua mulher, Huma Abedin, durante coletiva sobre escândalo sexual

Cenário: Políticos em campanha buscam redenção de escândalos sexuais

"Isso está totalmente no meu passado", disse Weiner durante uma coletiva, poucas horas depois de confirmar que trocou fotos e mensagens de texto sexualmente explíticas online com uma mulher. "Não há nenhuma dúvida de que o que fiz foi errado", acrescentou.

Em junho de 2011, ele renunciou a uma cadeira no Congresso depois de reconhecer ter mantido conversas com teor sexual com ao menos seis mulheres. Uma das mensagens incluiu uma foto sua de cueca, com uma aparente ereção, que foi publicada no Twitter por engano. A imagem era destinada a uma mulher com quem mantinha um relacionamento extraconjugal online.

Ex-atriz pornô: Democrata Weiner pediu para mentir sobre conversas

Deputado da cueca: Empresa lança boneco de Anthony Weiner

Na coletiva desta terça, Weiner, 48, reconheceu que algumas das atividades recentemente reveladas aconteceram depois de ele renunciar. Ele reiterou que colocou tal comportamento em seu passado antes de decidir entrar na corrida municipal.

"Disse que era provável que outros textos e fotos surgissem, e isso aconteceu hoje", disse Weiner em uma declaração divulgada por sua campanha no início do dia. Ele também afirmou que "algumas coisas postadas hoje são verdadeiras, e outras não", mas não deu detalhes.

Sua mulher, Huma Abedin, uma conselheira de longa data da ex-secretária de Estado dos EUA Hillary Rodham Clinton, fez raros comentários públicos sobre o comportamento de seu marido.

NYT: Indefinição de Hillary sobre eleição paralisa doadores e rivais

"Eu o amo. Eu o perdoei. E, assim como dissemos desde o início, estamos seguindo adiante", disse. Ela reconheceu que Weiner "cometeu alguns erros horríveis, tanto antes de renunciar ao Congresso quanto depois".

Abedin estava grávida quando o escândalo sobre a troca de mensagens online com teor sexual surgiu em 2011 e deu à luz meses depois. "Foram necessários muito trabalho e muita terapia para chegar ao nível de poder perdoá-lo", afirmou.

A nova alegação poderia ser um ser crucial do desejo dos eleitores de perdoar Weiner, que relatou ter passado os dois anos desde o escândalo tentando acertar as coisas com sua mulher e alcançar a redenção. Três de seus rivais à prefeitura pediram que Weiner desista da disputa.

A nova correspondência revelada foi postada na segunda-feira pelo site de fofocas The Dirty (A Sujeira, em tradução literal). A mulher envolvida não foi identificada. Ela contou que seu relacionamento online começou em julho de 2012, quando tinha 22 anos, e durou por seis meses.

Ela alegou que Weiner usava o apelido "Carlos, o Perigoso" para sua troca de mensagens, mas sabia que falava com o ex-congressista. Ela relatou que os dois trocaram fotos em que apareciam nus e fizeram frequentemente sexo por telefone. The Dirty divulgou uma foto pixelada do que parecem ser os genitais de um homem.

A mulher afirmou que posteriormente Weiner lhe pediu para que destruísse as evidências de suas conversas. Ela afirmou que nunca fez sexo com Weiner ou recebeu qualquer pagamento dele.

*Com AP

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas