Recomeça julgamento de capitão do navio Costa Concordia

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Advogados dizem que Schettino não foi único responsável por naufrágio que deixou 32 mortos em janeiro de 2012

Reuters

Francesco Schettino, capitão do navio Costa Concordia, não foi o único responsável pelo naufrágio que deixou 32 mortos no ano passado na Itália, disseram seus advogados nesta quarta-feira em seu julgamento.

Maio: Capitão do Costa Concordia será julgado por homicídio culposo

AP
Capitão Francesco Schettino parte no fim de audiência de seu julgamento na sala de justiça no ex-Teatro Teatro Moderno em Grosseto, Itália

Abril: Costa Cruzeiros aceita multa de 1 milhão de euros por acidente

Após um atraso causado por uma greve de advogados neste mês, o julgamento recomeçou nesta quarta em Grosseto, na costa oeste da Itália.

Schettino é acusado de homicídio e de causar danos patrimoniais por ter levado o Concordia até muito perto da costa da ilha italiana de Giglio, em janeiro de 2012, e por ter posteriormente abandonado o barco durante a caótica operação de resgate dos mais de 4 mil passageiros e tripulantes.

Naufrágio: Infográfico explica o que aconteceu com o Costa Concordia

Infográfico: Saiba como será o resgate do Costa Concordia

"Ele nunca se eximiu das suas responsabilidades. Mas é apenas justo que ele seja tratado com justiça", disse o advogado Francesco Pepe em frente do tribunal.

A defesa de Schettino, de 52 anos, alega que ele evitou um desastre ainda maior ao levar a embarcação de 950 pés (290 metros) para águas mais rasas depois da colisão com uma rocha, e que ele caiu do convés quando o navio adernou.

Explicação: Capitão de navio diz ter caído ao mar durante naufrágio

Conclusão: Relatório culpa capitão, equipe e empresa por naufrágio

O julgamento começou em 9 de julho, mas foi imediatamente suspenso por causa da greve dos advogados contra medidas que agilizam processos civis.

A audiência desta quarta deve abordar solicitações de várias pessoas e instituições que desejam constar como autores da ação. Defesa e acusação devem começar a apresentar seus argumentos principais ainda nesta semana.

Leia tudo sobre: itáliaschettinocosta concordianaufrágio

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas