Confirmação põe fim à incerteza sobre um de 6 franceses capturados por braço da Al-Qaeda no norte da África

Reuters

O escritório do presidente da França, François Hollande, confirmou nesta segunda-feira a morte de um refém francês no Mali, pondo fim à incerteza sobre a situação de um dos seis cidadãos franceses capturados pelo braço da Al-Qaeda no norte da África.

Abril: Conselho de Segurança aprova criação de força de paz no Mali

Francês Philippe Verdon havia sido sequestrado no Mali (foto de arquivo)
AP
Francês Philippe Verdon havia sido sequestrado no Mali (foto de arquivo)

Em uma declaração, o escritório presidencial disse que uma autópsia seria realizada para saber a causa da morte de Philippe Verdon assim que o corpo for transferido para a França. Testes foram realizados no corpo para confirmar a identidade.

Site ligado a grupo terrorista:  Filial da Al-Qaeda matou refém francês

O braço de mídia da Al-Qaeda no Magreb Islâmico, ou AQIM, disse em sua conta do Twitter em abril que Verdon foi morto depois de um anúncio extraoficial em março . Verdon, na casa dos 50 anos, foi capturado em Hombori, no nordeste do Mali, em novembro de 2011 juntamente com outro cidadão francês. Ambos estariam em uma viagem de negócios.

O grupo vinculado à Al-Qaeda, que disse que eles foram sequestrados em seu quarto de hotel, alegaram que os dois eram espiões franceses. Acredita-se que a AQIM ainda esteja em poder de cinco reféns franceses.

AQIM foi um de três grupos extremistas que controlaram o norte do Mali até que uma intervenção militar lançada pela França em janeiro interrompeu sua ascensão, matando extremistas e expulsando outros para países vizinhos.

Havia informações de que Verdon estava doente, com especulações de que sua morte tivesse relação com condições pré-existentes. Entretanto, a AQIM assumiu o crédito por sua morte, dizendo em abril que os destino dos reféns remanescentes "está nas mãos do presidente François Hollande e a porta ainda está aberta para encontrar uma solução justa".

*Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.