Senado terá CPI para investigar denúncia de espionagem dos EUA

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Requerimento para criar a comissão teve 41 assinaturas; instalação deve ocorrer após o recesso parlamentar

O Senado terá uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a denúncia de monitoramento pelos EUA de dados na internet e de telefonemas de cidadãos no Brasil.

Reação: Latino-americanos preparam declaração de repúdio à espionagem

Agência Brasil
Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) é autora do requerimento de criação da CPI

Saiba mais: Leia todas as notícias sobre a espionagem no Brasil

Com 41 assinaturas - 14 a mais que o mínimo necessário - o requerimento de criação da CPI, de autoria da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) foi lido na madrugada desta quinta-feira (11) no plenário da Casa.

A CPI terá 11 membros titulares e sete suplentes que terão 180 dias para investigar a denúncia, com o limite de despesa de R$ 280 mil.

Chomsky: Empresas da web superam governos em coleta de dados de cidadãos

“(A senadora Vanessa) Grazziotin conseguiu as assinaturas, que foram conferidas, e já há recursos previsto para as despesas da CPI. Isso é bom porque poderemos ter a investigação e as respostas que todos cobram”, disse o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Para que a comissão seja instalada, o próximo passo é a indicação, pelos líderes dos partidos, dos nomes que vão compor a CPI. Segundo Vanessa Grazziotin, o processo deve ser rápido, mas com o início do recesso parlamentar na semana que vem, a instalação da comissão só será feita na volta dos trabalhos, no dia 1º de agosto.

Chanceler brasileiro: Espionagem dos EUA viola acordos internacionais

Região: Colômbia, México e Chile pedem explicações aos EUA

Com informações vazadas pelo ex-técnico da CIA Edward Snowden, o jornal brasileiro O Globo afirmou na terça que a NSA realizou atividades de espionagem, priorizando Colômbia, Brasil e México.

Denúncias pelo vazamento de Snowden:
Monitoramento: EUA mantêm ampla base de dados telefônicos
Prism: EUA coletam dados de nove empresas de internet
Jornal: EUA podem usar dados de inteligência sem mandado
Denúncia: Reino Unido espionou autoridades do G20 em 2009
Guerra cibernética: EUA espionam computadores da China
Diplomatas: Europa exige respostas sobre supostos grampos dos EUA

Mas as atividades de vigilância também atingiram Argentina, Equador, Panamá, Costa Rica, Nicarágua, Honduras, Paraguai, Chile, Peru e El Salvador, de acordo com o jornal.

Após Venezuela e Nicarágua: Bolívia oferece asilo a delator dos EUA

Negativa: Patriota diz que Brasil não dará asilo político a delator dos EUA

Na segunda-feira, o embaixador norte-americano, Thomas Shannon, foi convocado a prestar esclarecimentos às autoridades. Ele conversou com os ministros Antonio Patriota (Relações Exteriores), Paulo Bernardo (Comunicações) e José Elito Siqueira (Gabinete de Segurança Institucional). Shannon prometeu colaborar com as autoridades e investigar as denúncias.

Dilma: Caso de espionagem dos EUA pode configurar 'violação de soberania'

Segundo informações do Globo, emails e telefonemas de brasileiros foram monitorados. As reportagens mostram também que havia uma espécie de escritório da NSA em parceria com a CIA em Brasília.

Com Agência Brasil

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas