Chamadas de emergência revelam caos após acidente de avião em São Francisco

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Patrulha Rodoviária divulgou 11 minutos de gravações; 'Não há médicos suficientes aqui', diz um passageiro

Gravações de chamadas feitas ao serviço telefônico de emergência 911 momentos depois do acidente aéreo de sábado (6) em São Francisco revelam pânico e confusão, com passageiros descrevendo ferimentos graves e esperas por socorro.

Asiana: Vítima de acidente aéreo de São Francisco pode ter sido atropelada

AP
Vista aérea do Boeing 777 da Asiana que caiu no aeroporto de São Francisco no sábado (6/7)

Mais: Pilotos tentaram abortar pouso antes da queda em São Francisco

A Patrulha Rodoviária da Califórnia divulgou na noite de quarta-feira (10) 11 minutos de gravações dos momentos posteriores ao acidente com o Boeing 777 da companhia sul-coreana Asiana Airlines, que matou duas adolescentes chinesas e deixou 180 feridos. Uma das adolescentes mortas pode ter sido atropelada por um dos veículos de emergência do aeroporto.

"Não há médicos suficientes aqui", disse um homem em telefonema divulgado pela patrulha rodoviária. "Tem uma mulher aqui na rua, na pista, que tem queimaduras muito sérias na cabeça e não sabemos o que fazer", completou.

"Nosso avião acaba de bater ao pousar", disse um outro passageiro. O atendente pergunta em que pista ele estava. "Não sei a pista, saímos literalmente correndo do avião."

São Francisco: 'É milagre estarmos vivos', diz sobrevivente de acidente aéreo

Investigadores aéreos disseram que os tripulantes levaram 90 segundos até orientar os passageiros a sair, e que os veículos de socorro chegaram 30 segundos depois disso. Mas alguns chamados ao 911 mostram que as esperas foram muito maiores.

Uma mulher dizia que havia passado 20 a 30 minutos no chão sem ver uma ambulância. "Há pessoas deitadas na pista com ferimentos graves, ferimentos na cabeça. Estamos quase perdendo uma mulher aqui. Estamos tentando mantê-la viva ... Nenhuma ambulância aqui na pista."

Vítimas: China identifica estudantes mortas em acidente em São Francisco

Muitos passageiros saíram pela parte de trás do avião ou deixaram a aeronave por meio de escorregadores infláveis nas saídas de emergência. Então, segundo alguns testemunharam, deu-se início a uma enervante espera.

A porta-voz do Corpo de Bombeiros de São Francisco Mindy Talmadge disse nesta quinta que alguns passageiros que ligaram para o 911 podem não ter visto imediatamente as ambulâncias mandadas para uma região próxima enquanto os socorristas iam ao encontro de quem precisava ser levado com urgência para o hospital. 

Sábado: Avião sofre acidente em São Francisco

Infográfico: Saiba quais são os 10 piores acidentes aéreos do mundo

"Há um procedimento para fazer isso", disse Talmadge. "Você não provoca mais caos em uma situação já caótica. Você não faz isso com 50 ambulâncias correndo por volta de todo o local."

Segundo Talmadge, 18 minutos depois de o acidente ter sido notificado, cinco ambulância e mais de uma dezena de outros veículos de resgate estavam na cena do acidente ou a caminho, além das equipes do aeroporto e de outras agências próximas. "Nossa resposta foi imediata."

Leia também: Decolagem e pouso são as fases mais perigosas do voo

A Asiana Airlines é uma das duas maiores companhias aéreas da Coreia do Sul. A outra é a Korean Air. A empresa opera a partir do Aeroporto Internacional de Incheon, considerado um dos maiores do mundo.

A companhia existe desde 1998 e atualmente conta com uma frota de 79 aeronaves. Os aviões de passageiros da companhia aérea têm em sua rota 23 países, enquanto os de carga abrangem 14 nações. Segundo o site da empresa, há 12 modelos Boeing 777, como o que caiu neste sábado. A nave é uma das mais populares para voos de longa distância, de 12 horas ou mais.

Com AP e Reuters

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas