Rússia acusa rebeldes sírios por ataque químico em Aleppo

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Incidente na localidade de Khan al Assal, em 19 de março, matou mais de 20 pessoas

Reuters

Análises científicas russas indicam que um projétil letal que atingiu o subúrbio de Aleppo, na Síria, em 19 de março continha o gás sarin, e provavelmente foi disparado por rebeldes, disse o embaixador da Rússia na ONU na terça-feira (9).

Mais: 'Não precisamos de armas químicas para vencer guerra', dizem autoridades sírias

AP
Imagem de 19 de março de 2013 mostra vítima de suposto ataque químico na vila de Khan al-Assal recebendo atendimento em hospital

Hagel e Casa Branca: EUA suspeitam de uso de armas químicas por Síria

O incidente na localidade de Khan al Assal matou mais de 20 pessoas. O governo e os rebeldes se acusaram mutuamente, e ambos os lados negam o uso de armas químicas nos dois anos de guerra civil.

Sarin: Israel acusa governo Assad de usar armas químicas contra rebeldes

Março: Síria e rebeldes trocam acusações de 'ataque químico'

O embaixador Vitaly Churkin disse que especialistas russos visitaram o local do impacto e recolheram amostras que foram analisadas em um laboratório certificado pela Organização para a Proibição de Armas Químicas, na Rússia.

"Ficou estabelecido que em 19 de março os rebeldes lançaram um projétil não-guiado Basha'ir-3 na direção de Khan al Assal, controlada por forças governamentais", disse.

Obama: Líder da Síria será responsabilizado se tiver usado armas químicas

"Os resultados da análise indicam claramente que a munição usada em Khan al Assal não foi produzida industrialmente e estava preenchida com sarin", afirmou.

"O projétil envolvido não é de um tipo padrão quanto ao uso químico", acrescentou Churkin. "O hexogeno, usado como detonador, não é utilizado em munições padrão. Portanto, há toda razão para crer que foram combatentes armados da oposição que usaram armas químicas em Khan al Assal."

Reuters
Homem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (02/2013)

Churkin disse ter informado ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, sobre essas conclusões. A Rússia é a mais poderosa aliada do presidente sírio, Bashar al Assad, no cenário internacional, oferecendo-lhe proteção diplomática e venda de armas.

A ONU estima que mais de 90 mil pessoas já tenham morrido na guerra civil síria, iniciada em 2011.

Leia tudo sobre: MUNDOSIRIARUSSIACUSAREBELDES

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas