Agência AFP havia dito que médicos aconselharam família a desligar aparelhos que mantêm ex-presidente vivo

O ex-presidente da África do Sul Nelson Mandela continua em um "estado crítico, mas estável", depois de quase um mês de internação em um hospital de Pretória, mas não entrou em estado vegetativo, disse nesta quinta-feira o porta-voz do presidente Jacob Zuma. "É claramente um estado não vegetativo", disse o porta-voz Mac Maharaj.

Jazigo: Justiça ordena que neto de Mandela devolva corpos de parentes

Membros de partido governista da África do Sul fazem vigília pelo ex-presidente Nelson Mandela em frente de sua casa em Soweto
AP
Membros de partido governista da África do Sul fazem vigília pelo ex-presidente Nelson Mandela em frente de sua casa em Soweto

Exumação:  Parentes apresentam queixa-crime contra neto de Mandela

A agência de notícias France Presse (AFP) informou que documentos judiciais datados de 26 de junho indicavam que o ícone antiapartheid entrou em um "estado vegetativo permanente", com médicos tendo aconselhado a família a desligar a máquina que o mantém vivo .

Segundo a AFP, o documento judicial se relaciona uma disputa familiar sobre os restos mortais de três filhos de Mandela . "A família Mandela foi aconselhada pela equipe médica a desligar os aparelhos. Em vez de prolongar seu sofrimento, a família Mandela está explorando essa opção como uma probabilidade real", indica uma citação do advogado da família no documento judicial.

CNN: Mandela é mantido vivo com ajuda de aparelhos

Desde que o documento foi escrito, o governo, parentes e pessoas que visitaram Mandela dizem que seu estado melhorou.

Quando questionado se os médicos haviam recomendado que os aparelhos fossem desligados, Maharaj respondeu: "Não há nenhuma questão desse tipo, isso não foi cogitado de nenhuma forma", afirmou. O porta-voz presidencial não quis confirmar se Mandela é mantido vivo com a ajuda de aparelhos, citando para isso o sigilo médico.

Entrevista: 'Apartheid deve ser perdoado, mas não esquecido'

Na segunda, Denis Goldberg, um dos homens acusados juntamente com Mandela durante o regime de segregação racial da África do Sul, disse à AFP que o ex-presidente estava consciente. "Ele é claramente um idoso, mas estava consciente e tentou mover os lábios e os olhos quando conversei com ele", relatou.

20 anos após eleições: Soweto reflete avanço da África do Sul

O documento "Certificado de Urgência" foi apresentado por um advogado representando parentes de Mandela que tiveram êxito em obter uma ordem judicial para devolver os restos mortais dos filhos do ex-presidente sul-africano à casa onde passou sua infância, depois que seu neto Mandla Mandela os colocou em sua própria vila.

Os restos mortais dos filhos de Mandela foram enterrados nesta quinta em seu jazigo original.

*Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.