Delator dos EUA abandona planos de permanecer na Rússia, diz Kremlin

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo Moscou, Snowden retirou pedido de asilo ao país após Putin dizer que ele deve parar de vazar informações

O ex-funcionário da Agência Nacional de Segurança (NSA, sigla em inglês) Edward Snowden, responsável pelo vazamento de programas secretos de monitoramento dos EUA, abandonou seu esforço de buscar asilo na Rússia depois que o presidente do país Vladimir Putin alertou que ele deveria parar de divulgar informações sobre a vigilância dos EUA se quisesse ficar no país.

Mais: Embaixada do Brasil em Moscou recebe pedido de asilo de Snowden

AP
Passageiros comem em uma cafeteria diante de TV passando notícias sobre Edward Snowden no aeroporto Sheremetyevo, Moscou

Denúncias pelo vazamento de Snowden:
Monitoramento: EUA mantêm ampla base de dados telefônicos
Prism: EUA coletam dados de nove empresas de internet
Jornal: EUA podem usar dados de inteligência sem mandado
Denúncia: Reino Unido espionou autoridades do G20 em 2009

O grupo WikiLeaks, que assessoria o delator, disse ter entrado com pedidos de asilo em 20 países para Snowden, que está no Aeroporto Internacional de Moscou Sheremetyevo há mais de uma semana.

"Snowden fez um pedido para permanecer na Rússia", disse o porta-voz do Kremlin Dmitry Peskov nesta terça-feira (2), de acordo com a agência de notícias russa RIA Novosti. "Então, ontem, após ouvir a posição do presidente Putin sobre as condições pelas quais ele poderia ficar, ele retirou seu pedido."

Rússia: Putin quer que Snowden pare de vazar segredos dos EUA

Pressão: Europa exige respostas sobre supostos grampos dos EUA

Putin afirmou na segunda-feira que Snowden deveria "interromper seu trabalho que prejudica nossos parceiros americanos" se quiser permanecer no país.

Entre os países que o WikiLeaks diz ter entrado com o pedido de asilo está o Brasil. O Ministério das Relações Exteriores do Brasil confirmou que a embaixada do País em Moscou recebeu um requerimento por fax, mas o governo decidiu deixar o pedido sem resposta.

Pai: Delator voltaria aos EUA se não fosse preso antes do julgamento

A Índia já respondeu, negando o pedido. "Seguindo um exame cuidadoso, concluímos não haver razão para aderir ao pedido de Snowden", informou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Índia Syed Akbaruddin pelo seu Twitter.

Oito países europeus, incluindo a Espanha e a Alemanha, afirmaram que para considerar o pedido de asilo, o requerente deveria estar em seu território. "Entregar um pedido de asilo do exterior, a princípio, não é permitido", disse o vice-secretário de Justiça norueguês Paal Loenseth.

Leia: Vice dos EUA discute com presidente do Equador caso Snowden

O chanceler polonês Radoslav Sikorski disse que rejeitaria mesmo se estivesse válido. "Recebemos um documento que não cumpre os requerimentos para um pedido de asilo formal. Mesmo se fosse, eu não daria uma recomendação positiva".

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que visita Moscou, disse que seu governo não recebeu um pedido de asilo de Snowden, mas que o delator "fez algo muito importante para a humanidade" e "merecia a proteção mundial". "A consciência mundial deveria reagir, a juventude mundial deveria reagir, pessoas decentes que querem um mundo pacífico deveriam reagir. Todo mundo deveria reagir e ser solidário a esse jovem que denunciou e alterou o mundo que (os EUA) fingem controlar."

Rússia: Putin rejeita extradição de Snowden aos EUA

Snowden fugiu dos EUA para Hong Kong em maio, poucas semanas antes da publicação nos jornais Guardian e Washington Post de detalhes fornecidos por ele sobre um programa secreto de vigilância de internet e tráfego de telefone por parte do governo dos EUA.

Após os EUA emitirem um pedido de extradição para Hong Kong, Snowden fugiu para a Rússia, onde está em um limbo legal na zona de trânsito do aeroporto desde sua chegada, em 23 de junho. Os EUA anularam seu passaporte, e o Equador, onde ele esperava conseguir asilo, tem hesitado em lhe conceder abrigo.

Com agências internacionais

Leia tudo sobre: snowdenputinrússiawikileaksregistros da verizonregistros da internetfisansaasiloeua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas