Snowden pede asilo à Rússia; Putin quer que ele pare de vazar segredos dos EUA

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente russo pede que delator dos EUA interrompa as atividades que prejudicam 'nossos parceiros americanos'

Edward Snowden, ex-técnico da CIA e ex-funcionário de uma prestadora de serviços da Agência Nacional de Segurança (NSA, sigla em inglês), pediu asilo político na Rússia, informou nesta segunda-feira a agência de notícias Interfax.

Pressão: Europa exige respostas sobre supostos grampos dos EUA

AP
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, dá coletiva em encontro de países exportadores de gás em Moscou

Pai: Delator voltaria aos EUA se não fosse preso antes do julgamento

Citado pela Interfax, Kim Shevchenko, o oficial encarregado do Ministério de Relações Exteriores no Aeroporto de Sheremetyevo, em Moscou, disse que a representante de Snowden, Sarah Harrison, entregou o pedido no domingo.

Snowden fugiu dos EUA para Hong Kong em maio, poucas semanas antes da publicação nos jornais Guardian e Washington Post de detalhes fornecidos por ele sobre um programa secreto de vigilância de internet e tráfego de telefone por parte do governo dos EUA.

Após os EUA emitirem um pedido de extradição para Hong Kong, Snowden fugiu para a Rússia, onde está em um limbo legal na zona de trânsito do aeroporto desde sua chegada, em 23 de junho. Os EUA anularam seu passaporte, e o Equador, onde ele esperava conseguir asilo, tem hesitado em lhe conceder abrigo.

Leia: Vice dos EUA discute com presidente do Equador caso Snowden

Anteriormente à informação de que Snowden havia pedido asilo à Rússia, o presidente russo presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta segunda-feira que ele terá de parar de vazar segredos dos EUA se quiser asilo, acrescentando, porém, que Snowden não tem nenhum plano de deixar de fazer isso.

Segundo o presidente dos EUA, Barack Obama, houve discussões em alto nível entre os EUA e a Rússia sobre a extradição de Snowden, mas Putin repetiu a posição russa de que não tem nenhuma intenção de enviar o ex-técnico da CIA de volta aos EUA. Ele insistiu que Snowden não é uma agente russo e que as agências de segurança russas não mantiveram contato com ele.

Rússia: Putin rejeita extradição de Snowden aos EUA

Falando em uma coletiva, Putin afirmou que Snowden considera a si mesmo um ativista de direitos, um "novo dissidente", e o comparou ao ganhador do Prêmio Nobel da Paz Andrei Sakharov.

Putin, que foi o anfitrião em Moscou de um encontro entre nações que exportam gás, incluindo líderes da Venezuela, Bolívia e Irã, disse não saber se qualquer um dos que participaram da reunião poderiam oferecer abrigo a Snowden.

"Se ele quer ir a algum lugar, e há aqueles que o aceitariam, é livre para fazer isso", disse Putin. "Se quiser ficar aqui, há uma condição: deve parar as atividades que têm o objetivo de infligir danos a nossos parceiros americanos, não importa o quão estranho isso possa soar em meus lábios."

Denúncias pelo vazamento de Snowden:
Monitoramento: EUA mantêm ampla base de dados telefônicos
Prism: EUA coletam dados de nove empresas de internet
Jornal: EUA podem usar dados de inteligência sem mandado
Denúncia: Reino Unido espionou autoridades do G20 em 2009

Putin, porém, acrescentou que Snowden não quer parar seus esforços de revelar informações sobre o programa de monitoramento dos EUA. "Como ele sente ser um defensor dos direitos humanos, um ativista de direitos, não parece ter a intenção de parar essa atividade", disse Putin.

Obama não confirmou informações de que agências policiais na Rússia e nos EUA receberam a ordem de encontrar uma solução em relação a  Snowden.

Grampos em diplomatas

Os comentários dos dois líderes surgiram enquanto o governo Obama enfrenta uma quebra de confiança de aliados-chave sobre programas secretos que supostamente instalaram escutas em escritórios da União Europeia (UE). O ultrage europeu foi desencadeado por uma matéria no domingo pela revista semanal Der Spiegel de que a NSA grampeou diplomatas de nações amigas - como os escritórios da UE em Washington, Nova York e Bruxelas.

A reportagem foi parcialmente baseada em uma série de revelações vazadas por Snowden.

*Com AP

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas