Obama rejeita interceptar aviões para capturar delator dos EUA

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Tratando Snowden como 'um hacker de 29 anos', líder diz que EUA manterão canais de rotina pela extradição

O presidente dos EUA, Barack Obama, disse nesta quinta-feira (27) que não faria acordos ou trocas para conseguir levar o delator da Agência Nacional de Segurança (NSA, em inglês) Edward Snowden à Justiça dos EUA.

Chanceler: Decisão do Equador sobre asilo a Snowden pode levar meses

AP
Presidente Barack Obama é recebido pela guarda de honra ao chegar no palácio presidencial em Dakar, Senegal

Rússia: Putin rejeita extradição aos EUA e diz que Snowden é livre

Kerry: Secretário de Estado adverte China e Rússia sobre Snowden

"Não vou mover jatos para pegar um hacker de 29 anos de idade", disse a repórteres durante coletiva em Senegal, rejeitando sugestões de que o país poderia mandar a Força Aérea para inteceptar um avião que eventualmente estivesse levando Snowden da Rússia para outro país. Snowden, ex-funcionário terceirizado da NSA, fez 30 anos na semana passada.

Obama disse também que não ligou pessoalmente para os líderes da Rússia e da China. Ele afirmou que não deveria, pois a expulsão de um criminoso é algo que deveria ser feito através dos "canais jurídicos de rotina".

Chanceler: Equador considera pedido de asilo de delator dos EUA

O presidente americano afirmou que o fato de Snowden ter obtido documentos secretos mostra a significativa vulnerabilidade na NSA.

Snowden, acusado por violar leis da espionagem americana, ficou escondido em Hong Kong desde que revelou o amplo alcance de dois programas confidenciais de monitoramento dos EUA contra o terrorismo.

NYT: Chat criptografado e reunião secreta possibilitaram expor vigilância

Os programas coletavam uma imensa quantidade de registros telefônicos de americanos e dados de internet em todo o mundo em nome da segurança nacional.

No domingo, ele deixou Hong Kong em direção à Rússia. Snowden reservou assento em um voo com destino à Cuba na segunda-feira (24), mas não embarcou no avião.

O caso:
- EUA mantêm ampla base de dados de ligações telefônicas
- EUA coletam secretamente dados de nove empresas de internet

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, que adimitiu na terça-feira (25) que Snowden está em uma zona de trânsito de um aeroporto em Moscou, rejeitou o pedido de extradição feito pelos EUA.

Segundo Julian Assange, fundador do WikiLeaks, que tem assessorado o delator americano, Snowden pediu asilo a diversos países, incluindo a Islândia e o Equador.

Assento 17-A: Snowden reserva lugar em voo para Cuba, mas não aparece

Espionagem: Snowden é acusado por vazar programa de monitoramento

Nesta quinta-feira, o chanceler equatoriano, Ricardo Patiño, que está em Cingapura, disse que será feito um anúncio em breve no país sobre Snowden.

A secretária de Assuntos Políticos do país sul-americano Bety Tola também negou as informações divulgadas por Assange de que o Equador teria dado documentos de refugiado para que Snowden pudesse viajar, uma vez que seu passaporte americano foi revogado.

Jornal: EUA podem usar dados de programas de inteligência sem mandado

Denúncia: Reino Unido espionou autoridades do G20 em 2009

Na quarta-feira, a Rússia reiterou que não tem nenhum interesse em prendê-lo, mas, pelo segundo dia, questionou por quanto tempo ele ficará no aeroporto de Sheremetyevo, em Moscou.

"Ele não violou nenhuma lei da Federação Russa. Ele não cruzou a fronteira, e continua na zona de trânsito do aeroporto e tem o direito de voar para onde quiser", disse o chanceler Serguei Lavrov. "E como o presidente pontuou, o mais breve que isso acontecer, melhor."

Com AP

Leia tudo sobre: snowdenrússiaeuaobamaregistros da verizonregistros da internetfisansa

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas