Militantes do Taleban invadem complexo presidencial em Cabul

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Palácio ocupado por Hamid Karzai fica em zona mais fortificada da capital afegã; troca de tiros matou oito insurgentes e três guardas

Militantes do Taleban invadiram o complexo onde fica o palácio presidencial do Afeganistão em Cabul nesta terça-feira (25) dando início a uma troca de tiros que deixou oito insurgentes e três guardas mortos, informaram testemunhas e autoridades.

Os militantes conseguiram invadir uma das zonas mais seguras de Cabul em plena luz do dia, destacando o crescente desafio para as autoridades do país apenas uma semana depois que o Taleban inaugurou um escritório políticos no Catar. Também na semana passada, a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) entregou às forças afegãs a responsabilidade pela segurança em todo país.

Análise: Disputa sobre status de escritório do Taleban no Catar frustra negociações

AP
Forças de segurança do Afeganistão fazem guarda perto do portão de entrada do palácio presidencial em Cabul

Leia também: Afeganistão suspende negociações com EUA e Taleban

O tiroteio começou por volta das 6h30 do horário local perto do portão leste que leva ao palácio presidencial, próximo ao Ministério de Defesa do país e o antigo Ariana Hotel, que era usado por agentes da CIA. Militantes do Taleban usando roupas camufladas surgiram em uma Land Cruiser preta e começaram a atirar, enquanto uma outra parte do grupo ficou presa entre dois postos de checagem e detonou os explosivos em seu veículo.

O Taleban informou que oito de seus combatentes morreram no ataque, enquanto o Ministério do Interior disse que três guardas de segurança foram mortos e um outro ficou ferido. O ataque mostrou como o Taleban possui habilidade de adentrar o coração da capital, destacando sua força na luta contra o governo do presidente Hamid Karzai, apoiado pelo Ocidente.

Saiba mais: EUA e Taleban manterão negociações diretas para acabar com guerra afegã

Transferência: Forças do Afeganistão assumem liderança da segurança em todo país

O palácio presidencial fica em uma região fortificada no centro de Cabul, que também inclui a embaixada americana e a sede da coalizão das forças da Otan. O acesso à área é extremamente restrito. Alguns residentes de Cabul inicialmente pensavam que o tiroteio fosse uma tentativa de golpe, uma vez que a ideia de se tratar de um ataque do Taleban era improvável devido à forte segurança da zona.

Os militantes foram impedidos na quadra Ariana, distante 500 metros - e alguns postos de checagem - do palácio presidencial. Não ficou claro onde estava o presidente Karzai no momento do ataque.

Leia mais: Otan anuncia cúpula sobre retirada de tropas do Afeganistão em 2014

Janeiro: Obama e Karzai aceleram transição militar no Afeganistão

Um grupo de repórteres, incluindo um da agência Associated Press (AP), que esperavam para entrar no palácio para um evento com a juventude afegã, testemunharam o começo do ataque e se protegeram atrás de um santuário religioso.

O Taleban se recusou a negociar com o governo de Karzai no passado, dizendo que o presidente é uma marionete dos EUA, país que, segundo os militantes, possui controle efetivo do Afeganistão. Entretanto, na semana passada os EUA anunciaram que dariam início a conversas formais com o Taleban no escritório do grupo em Doha, que seriam seguidas por diálogos entre o grupo militante e o governo afegão. Porém, diante da iniciativa americana, Karzai voltou atrás e disse se recusar a negociar com o Taleban.

Saiba mais: Entenda por que o Afeganistão é estratégico

NYT: Preocupações sobre direito das mulheres e tensões étnicas crescem no Afeganistão

O chefe de polícia de Cabul, general Mohamad Ayub Salangi, disse que os homens armados saltaram da caminhonete e abriram fogo antes de serem parados pelas forças de segurança, enquanto tentavam passar por um posto de controle usando documentos falsos. Todos os homens armados foram mortos, e um guarda do palácio ficou ferido, segundo ele. O carro-bomba então explodiu enquanto eles tentavam entrar no local.

O porta-voz do Taleban Zabihullah Mujahid reivindicou responsabilidade por meio de um comunicado enviado aos jornais via email. "Oito dos nossos suicidas conseguiram alcançar a área mais segura de Cabul", disse, identificando cada um deles por seu nome. "Os bravos mujahedin, com táticas especiais e ajuda interna, conseguiram alcançar seu alvo com armas e carros", disse. Ele afirmou que seus alvos eram o prédio da CIA, o palácio e o Ministério da Defesa. "Vários invasores estrangeiros foram mortos e feridos no ataque."

Leia também: Invasões e conflitos marcam história do Afeganistão

Fumaça podia ser vista da área do hotel, mas não havia nenhuma indicação de que qualquer um dos prédios havia sido atingido durante o ataque. O embaixador americano James Cunningham pediu um fim à violência. "Todos os militantes foram mortos, sem sucesso em atingir seus objetivos - isso mais uma vez mostra a futilidade dos esforços do Taleban em usar a violência e o terror para atingir seus objetivos", disse em comunicado. "Novamente, pedimos ao Taleban para que vá à mesa de negociações para conversar com o governo afegão sobre paz e reconciliação."

Com AP

Leia tudo sobre: afeganistãotalebancabulkarzaieuacia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas