Homens armados matam 9 turistas estrangeiros e seu guia no Paquistão

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo invadiu base de acampamento para montanhistas no norte do país e matou cinco ucranianos, três chineses e um russo

Reuters

Reuters
Ambulância leva corpos de turistas mortos em ataque no norte do Paquistão

Homens armados invadiram uma base de acampamento para montanhistas no norte do Paquistão no domingo e mataram nove turistas estrangeiros e um guia paquistanês, enquanto eles descansavam durante uma subida árdua até um dos picos mais altos do mundo, segundo a polícia.

O ataque que ocorreu durante a noite - matando cinco ucranianos, três chineses e um russo - está entre os piores a estrangeiros no Paquistão em uma década e ressaltou o crescente alcance dos militantes a uma região serrana, que era considerada segura.

A polícia disse que cerca de 15 pessoas usando uniformes de uma força paramilitar local, chegaram à 1 da manhã até um grupo de tendas e cabanas utilizadas pelos alpinistas que escalam o pico coberto de neve Nanga Parbat, de 8.125 metros.

Leia:
Novo premiê do Paquistão toma posse e pede fim de ataques com drones
Tensões crescentes abrem caminho para novos conflitos no Oriente Médio

Os invasores mataram um guarda paquistanês com os turistas e detiveram outros trabalhadores com uma arma, disse um alto funcionário da província de Gilgit-Baltistan. Um montanhista chinês conseguiu escapar.

"Os pistoleiros detiveram a equipe de funcionários como reféns e, em seguida, começaram a matar os turistas estrangeiros e escaparam", disse o funcionário.

Foi a primeira vez que turistas estrangeiros foram atacados na província, onde a convergência do Hindu Kush, Karakoram e Himalaia criou uma paisagem deslumbrante explorada por apenas poucos montanhistas mais intrépidos.

O movimento Taliban do Paquistão e um grupo militante menor assumiram ambos a responsabilidade.

Os tiroteios, que se seguiram a vários atentados com morte em diferentes partes do Paquistão, na semana passada, representam um novo desafio para o novo governo do primeiro-ministro Nawaz Sharif, que está lutando contra críticas de que seus apelos para o diálogo com os insurgentes são como tentar apaziguar extremistas violentos.

As mortes dos chineses são um golpe especial para o Paquistão, que recebeu o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, no mês passado, em uma tentativa de aumentar os laços comerciais com o gigante asiático através de sua fronteira compartilhada em Gilgit-Baltistan.

O ministro do Interior Chaudhry Nisar Ali Khan, disse ao Parlamento que tinha demitido o chefe de polícia de Gilgit-Baltistan e outro funcionário provincial senior, um passo incomum no Paquistão, onde altos funcionários raramente são responsabilizados por falhas na segurança.

O movimento fez pouco para silenciar a perguntas de críticos sobre como pistoleiros poderiam ter escapado das forças de segurança nos pontos de controle destinados a fiscalizar os visitantes para a sensível região montanhosa na fronteira com o território disputado da Caxemira.

Leia tudo sobre: paquistão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas