Grupo diz que enforcamentos são para dar exemplo e evitar venda de informações ao inimigo

Reuters

Líderes do Hamas disseram que haviam enforcado dois palestinos considerados culpados de espionar para Israel por mais de uma década, tornando-se os primeiros a serem executados desde o final de uma anistia para os informantes que durou um mês, em abril.

Infográfico: Saiba os principais pontos do conflito entre Israel e Gaza

Dezesseis palestinos foram executados em Gaza por espionagem desde que o Hamas tomou o território em 2007. O Hamas, que rejeita qualquer reconhecimento de Israel como um Estado legítimo, diz que as execuções são destinadas a desencorajar os palestinos da Gaza empobrecida de vender informações a Israel, como sobre o paradeiro dos principais militantes e depósitos de armas.

Ativistas de direitos humanos dizem que tais execuções violam a lei palestina, que diz que todos os casos deste tipo devem ser revistos pelo presidente Mahmoud Abbas, mas o Hamas não reconhece Abbas, apoiado pelo Ocidente como tendo autoridade em Gaza.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.