Ex-técnico da CIA é acusado por vazar programa de monitoramento dos EUA

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo o Washington Post, Snowden foi acusado de espionagem, roubo e apropriação de propriedade governamental. Lei de Espionagem prevê sentença de no máximo dez anos

Uma queixa-crime selada foi apresentada contra Edward Snowden no caso dos programas de monitoramento da Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês), disse nesta sexta uma autoridade do Departamento de Justiça. A Lei de Espionagem prevê uma sentença de no máximo dez anos.

Delator dos EUA: Desilusão com Obama motivou vazamento de documentos

AP
Ônibus passa perto de cartaz em apoio a Edward Snowden, ex-técnico da CIA que vazou documentos ultrassecretos, em distrito central de Hong Kong (17/06)

Motivo: Ex-técnico da CIA diz que expôs vigilância secreta para 'defender liberdade'

Risco: Ex-técnico da CIA pode enfrentar anos de prisão por vazar dados sobre vigilância

A autoridade recusou-se a especificar as acusações penais contra o ex-técnico da CIA e ex-funcionário de uma prestadora de serviços de Defesa da NSA que admitiu fornecer informação à imprensa sobre dois programas secretos de monitoramento do governo.

Citando fontes não identificadas, o jornal americano Washington Post afirmou que Snowden foi acusado de espionagem, roubo e apropriação de propriedade governamental. O jornal disse que a queixa foi apresentada no Distrito Leste de Virgínia, uma jurisdição onde o ex-empregador de Snowden, a Booz Allen Hamilton, está sediado.

A revelação da queixa-crime surgiu no mesmo dia em que o presidente dos EUA, Barack Obama, manteve sua primeira reunião com uma comissão de de privacidade e liberdades civis enquanto seu chefe de inteligência buscava formas para ajudar os americanos a entender mais sobre os amplos esforços de monitoramento do governo expostos por Snowden.

Os cinco membros da obscura Comissão de Supervisão de Privacidade e Liberdades Civis encontrou-se com Obama por uma hora na Casa Branca, questionando o presidente sobre os dois programas da NSA de interceptação em massa de registros telefônicos e de dados de uso da internet. O sistema de vigilância gerou muita controvérsia.

Senadores: EUA mantêm ampla base de dados de ligações telefônicas

Rastreamento: EUA coletam secretamente dados de nove empresas de internet

Asilo na Islândia

Nesta sexta, a Islândia se recusou a dizer se concederá asilo político a Snowden. Um empresário islandês ligado ao grupo WikiLeaks disse na quinta que preparou um jatinho na China para levar Snowden, que estaria em Hong Kong, para a Islândia, caso o governo conceda o asilo.

Mas as autoridades evitaram se comprometer. "Para solicitar asilo na Islândia, o indivíduo em questão deve estar presente nao país e fazer a solicitação em seu nome", disse um porta-voz do Ministério do Interior.

O empresário que ofereceu transporte a Snowden, Olafur Vignir Sigurvinsson, disse nesta sexta-feira à Reuters que seus contatos com o governo continuam. Ele afirmou que só a concessão de asilo ou cidadania poderá garantir a segurança de Snowden. "Se ele já não fez isso, ele provavelmente está no processo de solicitar a cidadania", afirmou.

Ele, assim, seguiria o exemplo do ex-campeão mundial de xadrez Bobby Fischer, que recebeu cidadania islandesa depois de ser acusado nos EUA de sonegar impostos e violar sanções por disputar uma partida na Iugoslávia em 1992.

Após anos vivendo no exterior, ele foi detido no Japão, onde solicitou a cidadania islandesa, concedida em 2005 pelo Parlamento. Fischer passou seus últimos anos na Islândia antes de morrer em 2008.

Snowden já mencionou a Islândia como um possível refúgio, mas disse que não viajaria imediatamente por temer que o pequeno país do Atlântico Norte sucumba à pressão dos EUA, que cogitam solicitar sua extradição.

Paradeiro incerto: Americano que vazou rede espiã lutará contra extradição

A Islândia é um país com fama de promover as liberdades na internet, e o governo centro-direitista eleito em abril está sob pressão para fazer jus a essa reputação.

A lei islandesa permite que o Parlamento conceda cidadania a estrangeiros. Já um processo de asilo, que pode durar mais de um ano, passaria pela Diretoria de Imigração, e em caso de rejeição caberia recurso ao Ministério do Interior.

*Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: snowdenregistros da internetregistros da verizonfbinsafisa

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas