EUA pedem extradição de Snowden e resposta rápida de Hong Kong

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Governo americano ameaça prejudicar relações bilaterais com Hong Kong caso ex-funcionário da Agência de Segurança Nacional não seja extraditado em breve

Reuters

AP
Foto de Edward Snowden é estampada na primeira página de um jornal em Hong Kong

Os Estados Unidos pressionaram Hong Kong neste sábado (22) para responder rapidamente a seu pedido para extraditar Edward Snowden, ex-funcionário terceirizado da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, na sigla em inglês) acusado de espionagem por expor atividades secretas de vigilância no país.

"Se Hong Kong não agir logo, vai complicar as nossas relações bilaterais e levantar questões sobre o comprometimento de Hong Kong com a lei", disse um alto funcionário da administração Obama à Reuters, falando sob condição de anonimato.

Leia:
Obama indica ex-autoridade do governo Bush como chefe do FBI
Ex-técnico da CIA é acusado por vazar programa de monitoramento dos EUA
Desilusão com Obama motivou vazamento de documentos, diz delator dos EUA

Fontes dizem que Snowden, que está escondido em Hong Kong, tem procurado representação legal de advogados de direitos humanos, enquanto se prepara para lutar contra as tentativas de forçá-lo a voltar para os Estados Unidos para enfrentar o julgamento.

O assessor de Segurança Nacional dos EUA Tom Donilon disse à rede de TV CBS News que os Estados Unidos têm um "bom argumento" contra Snowden e que esperavam que Hong Kong cumprisse o tratado bilateral de extradição assinado em 1998.

"Nós fomos até as autoridades de Hong Kong em busca da extradição de Snowden de volta para os Estados Unidos", disse Donilon.

Ele acrescentou que os policiais americanos estavam em uma "conversa" com as autoridades de Hong Kong sobre o assunto.

"Hong Kong tem sido historicamente um bom parceiro dos Estados Unidos em matéria de aplicação da lei e nós esperamos que eles cumpram o tratado neste caso", disse Donilon.

Uma fonte sênior da força policial dos EUA disse que a aplicação da lei de extradição "pode, claro, ser um longo processo legal", mas expressou otimismo de que Snowden seria extraditado.

O jornal South China Morning Post disse no sábado que Snowden não havia sido detido nem estava sob proteção policial --como relatado em outros veículos de imprensa-- e que, ao contrário, estava em um "lugar seguro" em algum lugar em Hong Kong.

O jornal também citou Snowden, que teria dado novos detalhes sobre as atividades de espionagem dos EUA, incluindo acusações de espionagem dos EUA em redes chinesas de telefonia móvel.

"A NSA faz todos os tipos de coisas como invadir a rede de empresas de telefonia celular chinesas para roubar todos os seus dados de SMS (mensagens de texto)," disse Snowden, de acordo com o jornal, em uma entrevista concedida em 12 de junho.

Documentos divulgados anteriormente por Snowden revelaram que a NSA tem acesso a grandes quantidades de dados de internet como emails, salas de bate-papo e vídeo, a partir de grandes empresas como Facebook e Google, em um programa de governo conhecida como Prism.

Leia tudo sobre: prismnsasnowden

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas