Não ficou imediatamente claro se Abbas aceitaria a renúncia de Hamdallah, um acadêmico e político independente que assumiu o cargo há apenas duas semanas

Reuters

O primeiro-ministro palestino Rami Hamdallah ofereceu sua renúncia ao presidente Mahmud Abbas, apenas duas semanas depois de assumir o cargo, disse um funcionário de sua assessoria de imprensa à Reuters nesta quinta-feira.

Saída de Fayyad: Renúncia de premiê traz dilema político e mais incertezas para palestinos

Premiê palestino, Rami Hamdallah, participa de primeiro encontro de seu governo em 11 de junho
AP
Premiê palestino, Rami Hamdallah, participa de primeiro encontro de seu governo em 11 de junho

ONU:  Crianças palestinas são maltratadas e usadas como escudo por Israel

Não ficou imediatamente claro se Abbas aceitaria a renúncia de Hamdallah, um acadêmico e político independente, cujo gabinete só se reuniu pela primeira vez na semana passada.

A fonte do governo disse à Reuters que Hamdallah tomou a abrupta e inesperada atitude por causa de uma "disputa sobre seus poderes."

O gabinete de Hamdallah consiste predominantemente de membros do partido Fatah, liderado por Abbas, e comentaristas políticos imediatamente questionaram quanto espaço ele teria para manobrar.

Novo status: Contra EUA e Israel, ONU reconhece de forma implícita Estado palestino

Seu antecessor, o economista educado nos EUA Salam Fayyad , renunciou em abril, depois de seis anos no cargo marcados por difíceis desafios econômicos e rivalidades com políticos do Fatah, ansiosos para colocar as mãos nas alavancas de poder.

Desde uma breve guerra civil em 2007 entre o partido secular Fatah, apoiado pelo Ocidente, e o grupo islâmico Hamas, os palestinos não tiveram um Parlamento funcional ou eleições nacionais.

Abbas exerce uma soberania limitada na Cisjordânia ocupada por Israel, enquanto o Hamas, que venceu eleições legislativas em 2006, tem o seu próprio primeiro-ministro na Faixa de Gaza.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.