Evento à tarde foi organizado por estudantes via Facebook, onde contou com mais de 7 mil adesões; ao menos 40 cidades no exterior organizam manifestações de apoio

O estudante de engenharia Maurício Azevedo, de 20 anos, está há um ano em Londres, onde conta ter poucos amigos e não muitos contatos. Ainda assim, ele conseguiu que mais de 7 mil pessoas confirmassem no Facebook sua presença para uma manifestação convocada por ele para esta terça-feira (18) em Londres em solidariedade aos protestos que vêm sendo realizados no Brasil .

Após protestos: Grupo amanhece em frente à sede do governo de São Paulo

Repercussão: Imprensa internacional destaca protestos no Brasil

Evento no Facebook marca manifestação em solidariedade aos protestos no Brasil
Reprodução
Evento no Facebook marca manifestação em solidariedade aos protestos no Brasil

Pauta ampla: Em São Paulo, passeata de 60 mil pessoas vira protesto contra 'tudo'

Atos semelhantes foram convocados pelo Facebook em dezenas de cidades ao redor do mundo. "Berlim e Dublin já haviam realizado eventos ( no final de semana ). E vi que Londres ainda não tinha se manifestado. Criei o evento ( no Facebook ) na sexta de manhã e sinceramente não estava esperando muita gente. No primeiro dia, havia pouco mais de cem pessoas. Agora, já são mais de 5 mil confirmados'', disse ele à BBC Brasil.

Protesto pacífico: Em São Paulo, policiais até indicaram o caminho para manifestantes

Até a conclusão deste texto já haviam confirmado presença um total de 7.246 pessoas. Ele afirma que a ideia de organizar a manifestação, que está marcada para 17h do horário local (13h do horário de Brasília), surgiu porque "está na hora de a gente acordar, fazer alguma coisa, não só assistir".

O próprio organizador está cético de que todos aqueles que disseram que irão ao protesto de fato irão comparecer. "A polícia de Londres diz que normalmente de 10% a 40% dos que confirmam presença realmente aparecem. Mas se forem 40%, já serão milhares", acrescenta.

Oceano de distância

Azevedo afirma que se sentiu determinado a agir após ver "cenas de abuso, truculência e uso de gás lacrimogêneo pela polícia contra manifestantes". "Aquilo me chocou bastante", diz o estudante.

Brasil: Em onda de protestos, mais de 200 mil tomam as ruas do País

Em família: Pais saem às ruas ao lado dos filhos manifestantes

Seu comentário é uma referência à violenta repressão realizada pela Polícia Militar de São Paulo na quinta, quando os policiais lançaram bombas de gás lacrimogêneo e dispararam balas de borracha contra manifestantes que protestavam contra o aumento das tarifas de transporte público, que foram reajustadas de R$ 3 para R$ 3,20.

O gaúcho Azevedo conta que já havia se sentido frustrado por não ter tido chance de participar dos protestos contra os aumentos de passagens em Porto Alegre realizados em abril deste ano. Portanto, não quis deixar a oportunidade passar. "Não é porque há um oceano de distância nos separando que não vou participar'', diz.

Ação do governo: Ministro promete conversar com governadores para evitar conflitos

Azevedo refuta críticas de que a onda de protestos no Brasil poderia estar assumindo um ar muito difuso e sem um tema central, e comenta que "o aumento das passagens foi o estopim, para que as pessoas parassem e pensassem sobre o que estava acontecendo".

"A gente viu o julgamento do mensalão, a roubalheira, a PEC 37, a estatuto do nascituro. As pessoas começaram a ver que o país realmente tem problemas e que a gente não estava fazendo nada", acrescenta.

Polícia

Após ter criado o evento no Facebook, o passo seguinte foi contatar a Polícia Metropolitana de Londres. Um processo que ele conta ter transcorrido sem maiores complicações.

Mais:
Caco Barcellos é hostilizado por manifestantes em São Paulo
Manifestantes pedem e major da PM se senta em avenida em São Paulo; assista

''Eles pedem que você os contate com seis dias de antecedência quando se trata de uma passeata, porque precisam bloquear ruas e, assim, minimizar os efeitos do protesto. Quando é o que eles chamam de evento 'estático', que não envolve fechamento de ruas, o processo é mais tranquilo.''

''Passei meus contatos, telefone, endereço. Expliquei que não iríamos trancar rua alguma. Nem atrapalhar o trânsito, só utilizar os espaços públicos de tráfego das pessoas'', acrescentou.

Veja imagens dos protestos no Brasil:

O evento será realizado na Old Palace Yard, uma praça entre o Parlamento e a Abadia de Wesminster.

Inicialmente, a ideia era realizar a manifestação em frente à Embaixada do Brasil, também no centro da cidade, mas a polícia informou que não seria possível realizar o evento no local, por motivos de segurança, conta o estudante.

A polícia também vetou o segundo local marcado para a manifestação, a Praça de Trafalgar, por questões burocráticas, obrigando os organizadores a marcar o evento para a Old Palace Yard.

Outras 40 cidades

Além de Londres, ao menos 40 cidades estão organizando suas manifestações de apoio aos protestos no Brasil. 

Há previsão de manifestos de apoio a partir de quarta-feira, 19, até o final de semana em várias cidades como Barcelona (Espanha), Bolonha (Itália), Boston (Estados Unidos), Brisbane (Austrália), Bruxelas (Bélgica), Buenos Aires (Argentina), Haia (Holanda), Toronto (Canadá).

Com BBC e Agência Estado

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.