Desilusão com Obama motivou vazamento de documentos, diz delator dos EUA

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Snowden, que revelou programas secretos de monitoramento de telefone e internet, diz em fórum virtual que não terá um julgamento justo nos EUA

Reuters

O ex-funcionário de uma prestadora de serviços de Defesa da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) que revelou os programas secretos de monitoramento de telefone e internet do governo norte-americano disse em um fórum virtual nesta segunda-feira que não esperava ter um julgamento justo nos EUA.

Traidor ou herói: Delator dos EUA abre debate sobre limites da guerra ao terror

Monitoramento: EUA mantêm ampla base de dados de ligações telefônicas

AP
Ônibus passa perto de cartaz em apoio a Edward Snowden, ex-técnico da CIA que vazou documentos ultrassecretos, em distrito central de Hong Kong

Prism: EUA coletam secretamente dados de nove empresas de internet

Chefe da inteligência: EUA obtêm dados com conhecimento das empresas de internet

Em uma sessão de perguntas e respostas com leitores no site do jornal britânico Guardian, Edward Snowden disse que seu desapontamento com o presidente Barack Obama ajudou-o a tomar a decisão de revelar o monitoramento de dados telefônicos e da internet feito com a cessão de dados por grandes empresas como Google e Facebook sob mandado judicial.

Dia 11: Google pede autorização dos EUA para revelar detalhes de ordens secretas

Greenwald: Jornalista que revelou rede espiã secreta dos EUA avisa: 'Há mais informações'

Snowden, que trabalhava na instalação da NSA como funcionário da prestadora de serviços Booz Allen Hamilton, viajou para Hong Kong antes que os programas de vigilância se tornassem públicos e prometeu permanecer lá e lutar contra qualquer esforço de levá-lo de volta aos Estados Unidos.

Defesa: Vazamento de dados secretos dos EUA expõe privatização da segurança nacional

"O governo americano, assim como fez com outros informantes, imediata e previsivelmente destruiu qualquer possibilidade de um julgamento justo em casa, abertamente me declarando culpado de traição e afirmando que a revelação de atos secretos, criminosos e mesmo inconstitucionais, é um crime imperdoável. Isso não é justiça", disse no fórum online.

As revelações de Snowden levaram a uma investigação criminal, e autoridades americanas prometeram, na semana passada, responsabilizá-lo pela revelação de detalhes da monitoramento aos jornais Guardian e Washington Post.

Obama: Monitoramento de telefone e web equilibra 'segurança e privacidade'

Análise: Antes ambivalente, Obama manteve abordagem de Bush para defesa dos EUA

A polêmica resultante provocou um debate renovado sobre o equilíbrio adequado entre o direito à privacidade e a segurança nacional, e Snowden vem sendo chamado de traidor e de herói por suas ações.

O ex-vice-presidente Dick Cheney foi o último a chamá-lo de traidor, mas Snowden disse que isso era uma medalha de honra. "Ser chamado de traidor por Dick Cheney é a maior honra que se pode dar a um americano", disse Snowden sobre o vice do governo de George W. Bush (2001-2009).

Ele disse que tomou cuidado para não revelar nenhuma operação norte-americana contra alvos militares. "Mostrei onde a NSA tinha hackeado infraestrutura civil como universidades, hospitais e negócios privados porque é perigoso", disse.

Americano que vazou documentos: EUA espionam computadores da China

Snowden ao Guardian: Reino Unido espionou autoridades do G20 em 2009

Ele afirmou que decidiu revelar os detalhes em parte por sua desilusão com o fracasso de Obama em cumprir as promessas da campanha de 2008. "As promessas de campanha e a eleição de Obama me fizeram acreditar que ele nos levaria a corrigir os problemas que destacou em sua busca por votos. Muitos americanos se sentiram assim", disse.

"Infelizmente, logo depois de assumir o poder, ele fechou a porta sobre a investigação de violações sistêmicas da lei, aprofundou e expandiu vários programas abusivos e se recusou a gastar o capital político para acabar com o tipo de violações dos direitos humanos como as que vemos na prisão dos EUA na Baía de Guantánamo (Cuba), onde homens ainda estão ali sem serem acusados formalmente", disse Snowden.

Leia tudo sobre: registros de internetregistros da verizonsnowdenprismnsafisaobama

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas