Forças de seguranças usaram canhões de água e bombas de gás lacrimogêneo. Ação demorou meia hora e veio logo após o ultimato do primeiro-ministro, Tayyip Erdogan

AP

Antes da desocupação, primeiro-ministro havia advertido que polícia
AP Photo/Thanassis Stavrakis
Antes da desocupação, primeiro-ministro havia advertido que polícia "sabe como limpar" a área

A Polícia turca usou canhões de água e bombas de gás lacrimogêneo para retirar à força neste sábado (15) os manifestantes que estavam acampados no Parque Gezi e na Praça Taksim. O grupo de centenas de pessoas estava no local há duas semanas depois de o governo não ter cumprido a exigência de soltar manifestantes detidos. A ação durou meia hora e veio logo após o ultimato do primeiro-ministro, Tayyip Erdogan. Ele advertiu que as forças de segurança "sabem como limpar" a área.

Leia mais: Turquia congela projeto de parque que desatou protestos no país

NYT: Defensores de parque turco, primeiros manifestantes abraçam novas causas

Manifestantes na escadaria do Parque Gezi, na Praça Taksim, em Istambul, antes da desocupação
AP
Manifestantes na escadaria do Parque Gezi, na Praça Taksim, em Istambul, antes da desocupação

Há mais de 15 dias, o grupo desafiava avisos para sair da área. O ato era uma resposta à violenta intervenção policial feita contra manifestantes pacíficos no mesmo parque, há duas semanas, o que provocou uma onda de protestos sem precedentes contra Erdogan e o Partido AK, legenda de centristas e religiosos conservadores. As manifestações reuniram nacionalistas, profissionais, sindicalistas e estudantes.

Saiba mais: Leia todas as notícias sobre os protestos na Turquia

Análise: Protestos na Turquia revelam luta mais ampla pela identidade do país

Cenário: Premiê da Turquia tenta ampliar poderes e manifestantes pedem sua saída

Os conflitos ocorreram durante várias noites em Istambul e Ancara, deixando um saldo de quatro mortos e 5 mil feridos, de acordo com a Associação Médica Turca. Segundo a televisão NTV, antes de entrar no parque, a polícia gritou para os manifestantes: "Este é um ato ilegal. É nosso último aviso a vocês. Evacuem."


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.