Turquia considera referendo para pôr fim a protestos

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Porta-voz do governista AK levanta possibilidade após encontro de Erdogan com ativistas. Votação seria aposta política de premiê, que crê ter apoio para aprovar reforma em parque

O governo turco está aberto a realizar um referendo sobre o plano de remodelação em Istambul que tem um papel central em quase duas semanas de protestos, disse um porta-voz do partido do primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan nesta quarta-feira.

Diálogo: Premiê turco enfrenta clima de ceticismo em reunião com manifestantes

AP
Manifestantes descansam em tenda no Parque Gezi, em Istambul

Análise: Protestos na Turquia revelam luta mais ampla pela identidade do país

Cenário: Defensores de parque turco, primeiros manifestantes abraçam novas causas

O anúncio feito após negociações entre Erdogan e um grupo de ativistas representa o primeiro grande gesto de seu governo para pôr fim a um impasse com os manifestantes na Praça Taksim, em Istambul, e em todo o país.

Mas em um tom mais desafiante, Huseyin Celik, porta-voz do Partido Justiça e Desenvolvimento (AK, na sigla em turco, de raízes islâmicas), afirmou que o governo também não permitiria que um protesto em andamento no Parque Gezi, perto da praça, continuasse "até o dia do julgamento" - um sinal de que a paciência das autoridades está perto de acabar.

A perspectiva de um referendo representa uma aposta política de Erdogan, que atraiu a fúria de manifestantes por causa de sua suposta tendência autoritária. Ele parece acreditar que sua forte base de apoio votaria pelos planos.

NYT: Premiê da Turquia tenta ampliar poderes enquanto manifestantes pedem sua saída

Saiba mais: Leia todas as notícias sobre os protestos na Turquia

Os protestos tiveram início em 31 de maio, depois que a polícia reprimiu com força uma manifestação pacífica de ativistas que se opunham a um projeto de substituir o Parque Gezi por uma réplica de quartéis da era Otomana. Os protestos então se espalharam por 78 cidades do país e atraíram dezenas de milhares de pessoas quase todas as noites.

Celik disse que o referendo seria sobre os quartéis. Mas ele disse que excluiria a demolição planejada de um centro cultural a que os manifestantes também se opõem. Segundo Celik, o centro está em uma área suscetível a terremotos, e precisa ser demolido.

Erdogan recebeu os 11 ativistas - incluindo acadêmicos, estudantes e artistas - em seu escritório em Ancara. Alguns líderes dos grupos da sociedade civil, incluindo o Greenpeace, rejeitam participar por causa de um "ambiente de violência" no país.

Veja imagens dos protestos na Turquia:

Tropa de choque da polícia fica coberta pela fumaça do gás lacrimogêneo durante confrontos na praça Taksim, Istambul (11/06). Foto: APManifestante joga uma lata de gás lacrimogêneo durante confrontos com a polícia na praça Taksim, Istambul (11/06). Foto: APManifestante tenta ficar de pé enquanto polícia joga jatos de água durante confrontos na praça Taksim, Istambul (11/06). Foto: APManifestantes turcos conversam no Parque Kugulu, ca capital da Turquia, Ancara (10/06). Foto: APTurco gesticula em frente de muro com grafite antigoverno perto da Praça Taksim, Istambul (08/06). Foto: ReutersFoto do premiê turco, Recep Tayyip Erdogan, é alterada para que ele se parecesse com Adolph Hitler é colocada na praça Taksim, Istambul (06/06). Foto: APManifestante turco grita palavras de ordem com o governo durante marcha sindicalista na Praça Kizilay, Ancara (05/06). Foto: APMulher sentada entre estudantes de ensino médio ergue suas mãos e grita palavras de ordem no Parque Gezi em Istambul (04/06). Foto: APManifestante segura bandeira da Turquia decorada com a imagem do fundador da Turquia Mustafa Kemal Ataturk, durante protesto na praça Taksim em Istambul (03/06). Foto: APPela manhã, manifestações são pacíficas no terceiro dia de protestos na Turquia (02/06). Foto: APPrédios foram pichados por manifestantes em Istambul (02/06). Foto: APMuitas vidraças acordaram quebradas após dois dias de protestos em Istambul (02/06). Foto: APNo domingo, um grupo menor de manifestantes se reúne na Praça Taksim (02/06). Foto: APônibus foram queimados durante confrontos da polícia com manifestantes (02/06). Foto: APÀ noite, polícia deixou a praça Taksim e manifestantes comemoraram (01/06). Foto: APÀ noite, manifestantes tentaram se aproximar do antigo Palácio Otomano, onde trabalha o primeiro-ministro em Istambul (01/06). Foto: APTensão entre policiais e manifestantes continuou na noite de sábado (01/06). Foto: APNo sábado, quase mil pessoas foram presas e dezenas ficaram feridas nas manifestações em várias cidades (01/06). Foto: APViolência policial espantou turistas e turcos no fim de semana (01/06). Foto: APManifestantes e forças de segurança se enfrentam pelas ruas de Istambul (01/06). Foto: APPolícia usou água para espantar manifestantes em Istambul (01/06). Foto: APForças polícias usaram gás lacrimogêneo contra manifestantes na praça Taskim, em Istambul (01/06). Foto: APManifestantes usaram pedras contra a polícia em Istambul (01/06). Foto: AP

Terça: Manifestantes enfrentam polícia turca na Praça Taksim

Enquanto isso, a polícia e manifestantes se reposicionaram depois de uma madrugada de confrontos na Praça Taksim. Em Ancara e Istambul, milhares de advogados criticaram o suposto mau tratamento direcionado a dezenas de seus colegas, que a polícia deteve brevemente em Istambul às margens dos tumultos de terça.

Sema Aksoy, a vice-chefe da associação de advogados de Ancara, disse que os advogados foram algemados e pressionados contra o chão. Ela caracterizou a ação da polícia de uma afronta ao sistema judicial turco.

A Fundação de Direitos Humanos da Turquia disse que os promotores de Istambul lançaram uma investigação sobre as alegações de uso excessivo de força pela polícia durante os protestos.

Segundo a fundação, 620 pessoas, incluindo um bebê de 1 ano, foram feridas durante a repressão policial na manhã desta quarta. A polícia deteve cerca de 70 pessoas durante os incidentes. Previamente a isso, os ativistas informaram que 5 mil pessoas ficaram feridas ou foram seriamente afetadas pelos gases lacrimogêneos dos protestos, que deixaram quatro mortos.

*Com AP

Leia tudo sobre: turquiaprotestos na turquiaerdoganparque gezipraça taksimistambul

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas