Internado desde sábado, Mandela recebe visita das filhas

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Ex-líder sul-africano continua na UTI de hospital em Pretória e, segundo presidente do país, estado continua grave, mas estável

Os médicos fazem tudo o que é possível para melhorar o estado de saúde de Nelson Mandela, enquanto o ex-líder sul-africano de 94 anos passa mais um dia internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), afirmou o presidente da África do Sul nesta terça-feira (11). Duas das filhas de Mandela também visitaram o pai no hospital.

Em um possível sinal da seriedade do estado de Mandela, a filha Zenani Mandela - embaixadora da África do Sul para a Argentina - foi ao hospital visitar seu pai. A ex-mulher Winnie Madikizela-Mandela também esteve no local.

Segunda-feira: Estado de saúde de Mandela é grave, mas estável, diz governo

AP
Propaganda em loja que vende moedas comemorativas com o rosto de Nelson Mandela em um shopping center de Johanesburgo

No domingo: Mandela permanece hospitalizado na África do Sul

Sábado: Mandela é internado em estado grave com infecção pulmonar

Em entrevista, o presidente sul-africano Jacob Zuma caracterizou a situação de Mandela como "muito séria", mas disse que o ícone da luta antiapartheid está estável. "Precisamos que ele esteja conosco e tenho certeza que todos esses votos de rápida recuperação são muito bem vindos", disse. "Nos unimos para dizer que ele deve se recuperar rapidamente, tenho certeza, conhecendo-o como eu conheço, ele é um bom lutador, estará com a gente muito em breve."

Estudantes se reuniram do lado de fora da casa de Mandela em um subúrbio de Johanesburgo nesta terça-feira e cantaram músicas expressando esperança pela pronta recuperação do ex-presidente.

NYT: Disputa por Mandela transforma seu legado em troféu na África do Sul

Mandela, líder do movimento antiapartheid na África do Sul, passou 27 anos na prisão durante o governo branco racista. Ele foi libertado em 1990, e então abraçou esforços pela paz durante a tensa transição ao fim do sistema apartheid. Ele foi eleito presidente, o primeiro negro na história da África do Sul, em 1994.

Esta é a quarta vez que Mandela é internado desde dezembro do ano passado. Ele teve sua última alta em 6 de abril, depois que os médicos o diagnosticaram com pneumonia e drenaram líquido de seu pulmão.

Abril de 2013: Mandela recebe alta de hospital após tratar pneumonia

Veja também: Mandela aparece frágil em primeira imagem na TV em nove meses

No Museu do Apartheid, em Johanesburgo, os visitantes caminhavam por entre corredores que exibiam a biografia de Mandela, em meio a uma sensação no país de que essa internação pode ser mais séria que as anteriores. "Todas essas internações no hospital estão nos preparando para isso, que isso pode ser seu fim, e é suficiente que nos digam que é muito sério", disse o padre Victor Phalana, da Catedral do Coração Sagrado em Pretoria, que passeava pelo museu com dois padres de Uganda.

Na segunda-feira, uma fundação dirigida pelo arcebispo aposentado Desmond Tutu descreveu Mandela como um "presente extraordinário" e ofereceu orações por seu conforto e dignidade.

Mandela é visto por muitos ao redor do mundo como um símbolo de reconciliação, por causa de seu papel nos esforços pela paz quando o governo racista teve um fim na África do Sul. Tutu, 81 anos, também era um vigoroso ativista contra o apartheid.

Leia também: Mandela aparece frágil em primeira imagem na TV em nove meses

Como Mandela, Tutu foi laureado com o Prêmio Nobel da Paz por seus esforços. Mandela compartilhou seu prêmio em 1993 com F.W. de Klerk, o último presidente da era apartheid.

Em seu breve comunicado sobre a saúde de Mandela, a presidência disse que Zuma "reitera seu pedido para que a África do Sul reze por Madiba e por sua família durante esse momento", se referindo a Mandela pelo seu nome de clã.

Mandela tem estado vulnerável a problemas respiratórios desde que contraiu tuberculose durante seus 27 anos como prisioneiro do governo racista. O ex-presidente se aposentou da vida pública há anos e vinha recebendo tratamento em sua casa em Johanesburgo.

Com AP

Leia tudo sobre: mandela

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas