Premiê da Turquia concorda em receber líderes de protestos

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Vice anuncia que Erdogan e manifestantes da Praça Taksim se reúnem quarta para tentar pôr fim a impasse que causa protestos em várias cidades da Turquia há quase duas semanas

Reuters

O primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, concordou em se reunir na quarta-feira com os líderes do movimento cujos protestos pacíficos em Istambul provocaram uma onda de manifestações contra o governo em toda a Turquia.

Domingo: Milhares protestam nas ruas e premiê turco Erdogan faz discurso desafiador

AP
Manifestantes turcos conversam no Parque Kugulu, ca capital da Turquia, Ancara

Saiba mais: Leia todas as notícias sobre os protestos na Turquia

Erdogan tem criticado repetidas vezes os manifestantes, classificando-os como "ralés". Mas o vice-premiê Bulent Arinc disse nesta segunda que os líderes do grupo Plataforma Parque Gezi pediram para encontrá-lo em um esforço para acabar com a agitação que a polícia tentou conter usando gás lacrimogêneo e canhões de água.

"Eles pediram para se encontrar com o primeiro-ministro, que concordou em se reunir com os organizadores", disse Arinc em Ancara.

O grupo leva o nome de um parque localizado em um canto da Praça Taksim, de Istambul. A campanha contra os planos do governo para revitalizar o parque se transformou em um movimento desafiador contra Erdogan e o partido governista AK.

Quinta: Premiê da Turquia retorna a país assolado por protestos

Os protestos têm abalado a imagem do país predominantemente muçulmano como uma democracia estável em uma região turbulenta e como um vibrante mercado emergente para investidores. Três pessoas foram mortas e cerca de 5 mil ficaram feridas durante os tumultos.

A ação policial violenta atraiu críticas do Ocidente, e Erdogan tem cada vez mais acusado as forças estrangeiras de tentar agravar o problema.

Nesta segunda, um grupo de manifestantes mostrou poucos sinais de que vai aliviar a ocupação da Praça Taksim, depois que Erdogan advertiu que sua paciência poderia acabar.

Muitos estão acampados em barracas e agora controlam uma grande parte ao redor da praça. Nas vias de acesso há barricadas de tijolos, pedras e barras de aço. A polícia se retirou completamente da área e um canhão de água era mantido a centenas de metros de distância ao lado do canal do Bósforo.

NYT: Premiê da Turquia tenta ampliar poderes enquanto manifestantes pedem sua saída

"Queremos que a vida na praça volte ao normal", disse Eyup Muhcu, chefe da Câmara de Arquitetos e membro da Plataforma de Solidariedade Taksim. "Estamos prontos para o diálogo... mas as declarações do primeiro-ministro indicam que ele não está aberto ao diálogo", disse antes de a reunião de quarta ser anunciada.

Em um movimento que poderá aumentar o descontentamento entre os turcos seculares, o presidente Abdullah Gul aprovou uma lei que reduz a venda e o consumo de álcool.

A Turquia tem uma Constituição secular, mas o partido AK, de raízes islâmicas, tem sido criticado por minar a separação entre Estado e religião. Críticos acusam Erdogan e o partido de tentar interferir em suas vidas.

Cenário: Protestos na Turquia revelam luta mais ampla pela identidade do país

A lei, aprovada pelo Parlamento no mês passado, proíbe os produtores de álcool de patrocinar eventos em locais onde o produto é vendido e consumido. Também proíbe a exibição pública de bebidas alcoólicas e exige que as embalagens tragam advertências de saúde.

Leia tudo sobre: turquiaerdoganprotestos na turquiaistambulpraça taksim

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas