Ativistas na Turquia entregam lista de exigências para governo

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Entre as demandas do grupo, estão a demissão de policiais responsáveis pela repressão violenta e a manutenção da Praça Taksim

Ativistas apresentaram nesta quarta-feira (5) uma lista de exigências que, segundo eles, poderia colocar fim a dias de manifestações contra o governo da Turquia. Também nesta quarta, a polícia prendeu 25 acusados de usar mídias sociais para atiçar o ódio contra as autoridades do país.

Terça-feira: Vice-premiê da Turquia pede desculpas a manifestantes pacíficos feridos

AP
Manifestante turco grita palavras de ordem com o governo durante marcha sindicalista na Praça Kizilay, Ancara (5/6)

Em um movimento para acalmar a tensão, o vice-premiê se encontrou com o grupo cuja tentativa de evitar que autoridades arrancassem árvores da Praça Taksim, em Istambul, escalonou para protestos em nível nacional contra o suposto crescente autoritarismo do governo do premiê Recep Tayyip Erdogan.

Erdogan: Premiê rejeita rótulo de 'Primavera Turca' em dia de protestos no país

Cidades turcas foram cobertas de gás lacrimogêneo e centenas ficaram feridas em cinco dias de manifestações. Um grupo de direitos humanos afirmou que 3,3 mil foram detidos nos protestos, embora a maior parte deles tenha sido liberada.

O grupo ativista denunciou o estilo "vexatório" de Erdogan e exigiu que o governo imediatamente pare com os planos de reforma na Praça Taksim, proíba o uso de gás lacrimogêneo pela polícia, libere todos os manifestantes presos e suspenda as restrições à liberdade de expressão.

Testemunho: Brasileiros relatam conflitos e 'apagão mediático' em Istambul

No domingo: Premiê turco acusa oposição por prostestos

Também exigiu que as autoridades - incluindo governadores e policiais - responsáveis pela violenta repressão contra os manifestantes sejam retirados de seus cargos.

Os protestos aparentemente se desdobraram espontaneamente e não possuem um líder. As demandas do grupo foram vistas como recomendações para o governo para aliviar as tensões. Não há certeza, portanto, que os milhares de manifestantes cumpram a promessa do grupo de cessar os protestos.

O grupo formado por acadêmicos, arquitetos e ambientalistas, conhecido como "Plataforma Solidariedade Taksim", foi formado para proteger a praça da reforma. Os protestos foram alvo de violenta repressão policial na sexta-feira.

Leia mais: Principais cidades da Turquia amanhecem sujas após protestos

Erdogan: Premiê turco pede fim de protestos em meio à violência

O vice-premiê Bulent Arinc, que está no lugar de Erdogan durante sua viagem para o nordeste africano, buscou apaziguar os ânimos, pedindo desculpas para aqueles que foram agredidos de forma "errada e injusta". Erdogan inflamou os protestos, chamando os manifestantes de "saqueadores" e extremistas apoiados pela oposição. Ele também se recusou a voltar atrás com os planos para a praça Taksim.

1º de junho: Turquia vive segundo dia de protestos contra governo

Enquanto isso, a polícia deteve 25 acusados de "espalhar inverdades" nas mídias sociais e de supostamente incitar a população a se unir à onda de protestos contra o governo. As detenções ocorreram na noite de terça-feira na cidade de Izmir, no oeste do país, segundo a agência Anadolu. A polícia estava buscando outros 13 acusados.

Com AP

Leia tudo sobre: protestos na turquiaturquiaancaraistambul

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas