Capriles, da Venezuela, aposta em queda do governo de Maduro

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Líder da oposição venezuelana afirma que governo de sucessor de Chávez desmoronará sob pressão dos problemas econômicos, disputas internas e da crença de que roubou eleições

Reuters

O líder da oposição venezuelana, Henrique Capriles, diz que o governo do presidente Nicolás Maduro "desmoronará" sob a pressão dos problemas econômicos crescentes, da luta interna e da crença de muitos venezuelanos de que roubou a eleição de abril.

Maio: Capriles contesta na Suprema Corte eleição presidencial da Venezuela

AP
Henrique Capriles, líder de oposição na Venezuela, participa de coletiva em Caracas (24/04)

Capriles ainda está contestando a eleição, que ele perdeu para Maduro por 1,5 ponto percentual, uma vitória mais estreita do que era esperado. Mas se, como previsto, as alegações de fraude não chegarem a lugar algum nos tribunais da Venezuela, Capriles diz que outras forças podem afundar o sucessor do líder socialista Hugo Chávez, que morreu em 5 de março.

"Acho que este governo, nas condições atuais de ilegitimidade somadas a uma crise econômica profunda com a qual não mostra intenção de lidar, vai desmoronar", disse à Reuters Capriles, de 40 anos e governador do Estado de Miranda.

"O que isso significa? Bem, todos os mecanismos estão na Constituição: referendo, nova eleição, renúncia. Mas não me pergunte por saídas que não estejam na Constituição. Nossa luta é pacífica", acrescentou, em entrevista à Reuters em uma zona rural do Estado na sexta-feira.

Globovisión: Oposição perde espaço com mudanças em canal de TV na Venezuela

Protestos de rua pós-eleição acabaram representando um revés para Capriles, com a morte de algumas pessoas por causa do caos, permitindo que o governo o atacasse como um desestabilizador e assassino.

Agora ele e outros líderes da oposição parecem estar se fiando em uma deterioração constante da popularidade e do poder de Maduro. Uma possibilidade para os opositores é um referendo revogatório, permitido na Constituição depois de três anos de presidência.

A estratégia foi usada sem sucesso contra Chávez, que governou por 14 anos a nação sul-americana integrante da Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep).

Marca: Maior controle do petróleo e distribuição de renda marcam economia da era Chávez

Alguns opositores, no entanto, dizem que os problemas econômicos da Venezuela - crescimento lento, inflação incontrolável, escassez de produtos e gargalos de divisas - podem ser demais para Maduro, mesmo antes de se pressionar por um referendo revogatório.

Vídeo: Crise de abastecimento provoca falta de papel higiênico na Venezuela

Cenário: Crise ameaça deixar Igreja sem vinho e hóstia na Venezuela

Capriles diz que uma suposta rivalidade entre Maduro e o poderoso líder do Congresso, Diosdado Cabello, também o número 2 no Partido Socialista Unido da Venezuela, da situação, era outro fator para se observar.

"Eles têm uma guerra interna e aquela pessoa (Cabello) quer ser presidente, mas sabe que isso é impossível via voto popular. A única maneira, e isso explica o seu jogo, é que as coisas implodam, se rompam, e ele chegue lá por meios não democráticos", disse Capriles.

Algumas pesquisas de opinião mostram Capriles alguns pontos à frente de Maduro se uma eleição presidencial for repetida - uma perspectiva improvável, no entanto, dado os vários pronunciamentos do comitê eleitoral de que os resultados se sustentam, inclusive depois de uma auditoria.

"Esse é o único governo que assumiu e não subiu nas pesquisas", disse Capriles. "Não houve lua de mel. Olhe para todos os países nas Américas e no mundo, um governo sobe entre 10 e 15 pontos depois de assumir. Olhe para as pesquisas de opinião agora, Maduro tem uma média de 40%."

Leia tudo sobre: venezuelacaprilesmaduro

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas