Líderes africanos criam força militar de emergência

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Planos para Força Africana de Prontidão já existem há mais de dez anos, e sucessivos adiamentos provocam críticas de que continente depende em excesso da ajuda da ONU

Reuters

Líderes africanos decidiram nesta segunda-feira (27) criar imediatamente uma força militar de reação rápida para lidar com emergências regionais, buscando tornar a segurança do continente menos dependente dos fundos e contingentes de outras origens.

Abril: Conselho de Segurança da ONU aprova criação de força de paz no Mali

AP
Presidente sul-africano Jacob Zuma e presidente do Zimbabwe Robert Mugabe fazem piada durante foto do encontro em Adis Ababa, Etiópia

NYT: Refugiados de Mali fogem de perseguição e duras regras impostas por islâmicos

A decisão, tomada em uma cúpula da União Africana na Etiópia, atende aos apelos de vários líderes preocupados com os diversos conflitos e rebeliões em curso na África.

Os planos para uma Força Africana de Prontidão já existem há mais de uma década, e os sucessivos adiamentos na sua criação provocam críticas de que o continente depende em excesso da ajuda da ONU e de doadores ocidentais.

África do Sul: Pobreza e violência põem em xeque futuro de brancos

Secretário-geral da ONU: 'Violência na África é culpa de líderes'

O texto adotado pela Assembleia da UA, ao qual a agência Reuters teve acesso, disse que a força de reação rápida será formada com contribuições voluntárias de soldados, equipamentos e verbas a serem feitas por países africanos que estiverem em condições para isso.

A iniciativa está sendo chamada de Capacidade Africana para a Resposta Imediata a Crises (Caric), e seria uma solução provisória até a formação definitiva da Força de Prontidão.

Entre os desafios de segurança enfrentados nos últimos dois anos pela UA estão os golpes militares da Guiné-Bissau e Mali, as ofensivas de grupos militantes islâmicos no Mali e Nigéria, e conflitos envolvendo rebeldes no leste da República Democrática do Congo e da República Centro-Africana.

No começo deste ano, a França interveio militarmente no Mali, ex-colônia sua, para impedir o avanço de rebeldes islâmicos, numa ação que causou constrangimento à UA, por demonstrar sua incapacidade de defesa própria.

Leia tudo sobre: união africana na etiópiaetiópiaáfricaexército

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas