Homem é morto em suposto ataque terrorista ao sul de Londres

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Primeiro-ministro diz haver fortes indícios de que incidente foi ato de terrorismo; dois suspeitos estão feridos após serem atingidos por disparos da polícia

Um homem foi morto e ao menos dois suspeitos ficaram feridos durante um ataque violento com facões perto de um quartel-general no sudeste de Londres, informaram autoridades britânicas nesta quarta-feira (22). O primeiro-ministro britânico, David Cameron, convocou uma reunião de emergência e disse haver fortes indícios de que o incidente foi terrorista.

Assista: Em vídeo, suspeito diz que ataque em Londres vinga morte de muçulmanos

Reuters
Perito investiga local em que homem foi morto em Woolwich, sudeste de Londres

Tentativa: Quatro acusados admitem plano para atacar Bolsa de Londres

Cameron classificou a morte de "realmente chocante", afirmando que pediu à ministra do Interior Theresa May para convocar uma reunião do comitê de resposta de emergência para avaliar o incidente. "Sofremos esses ataques anteriormente, e sempre os derrotamos", disse Cameron durante uma visita a Paris.

Segundo testemunhas, um homem foi atingido por um carro, depois agredido com facões de açougueiro em uma rua do bairro de Woolwich por dois indivíduos que posteriormente foram atingidos por disparos em meio a um tiroteio com policiais. Os agressores teriam gritado "Allahu Akbar" (Deus é Grande) ao lançar o ataque.

EUA: Agente do FBI mata homem que era questionado sobre ataque em Boston

Durante uma coletiva com Cameron em Paris, o presidente francês, François Hollande, disse que o homem morto era um soldado britânico, informação não confirmada imediatamente pelo premiê britânico. Previamente, o parlamentar local Nick Raynsford havia identificado a vítima como um soldado. Citando fontes policiais, ele também afirmou que várias armas foram apreendidas na cena do crime, incluindo uma pistola, facas e facões de açougueiro.

Reprodução
Vídeo mostra homem com mãos ensanguentadas e segurando um facão que diz: 'Juramos pelo todo poderoso Alá que nunca vamos parar de lutar contra vocês'

A afiliada da CNN ITN veiculou um vídeo mostrando um homem com mãos ensanguentadas e segurando um facão de cortar carne que diz: "Juramos pelo todo poderoso Alá que nunca vamos parar de lutar contra vocês."

O homem negro e com aparente sotaque londrino continua: "As únicas razões para matar esse homem são o fato de que muçulmanos morrem diariamente. Esse soldado britânico representa o olho por olho, dente por dente."

"Lamentamos que mulheres tiveram de ver isso hoje, mas em nossas terras nossas mulheres têm de ver o mesmo. Vocês nunca estarão seguros. Deponham seu governo. Ele não se importa com vocês."

Duas autoridades britânicas afirmaram sob condição de anonimato que o ataque parece ter sido ideologicamente motivado pelo radicalismo islâmico. Segundo eles, a avaliação não leva em conta apenas o vídeo com um dos suspeitos.

Relatos

A Scotland Yard informou que agentes responderam a relatos de um ataque por volta das 14h20 no horário local (10h20 em Brasília) em Woolwich, a apenas algumas quadras de distância do Quartel-General de Artilharia Real. O serviço de ambulância de Londres confirmou que um homem foi encontrado morto no local e dois outros foram levados ao hospital, um em estado grave.

"Aproximadamente às 14h20, a polícia foi chamada para responder ao relato de um ataque na rua John Wilson Street, Woolwich", disse um comunicado da Scotland Yard.

Uma testemunha identificada apenas como James disse que dois homens atacaram o outro homem, com cerca de 20 anos, que vestia uma camiseta da entidade assistencial militar Help for Heroes (Ajuda para os Heróis). "Esses dois caras eram malucos. Eram animais. Eles arrastaram o corpo da calçada para o meio da rua e o deixaram lá", disse à rádio LBC.

Reino Unido: Jovem malaio vítima de ataque em Londres passa por cirurgia

AP
Tenda é erguida perto de local de ataque em Woolwich, sudeste de Londres

Segundo ele, depois do ataque "horrível", os dois agressores, também na casa dos 20 anos, ficaram por perto, com facas e uma arma, e pediram às pessoas que os fotografassem "como se quisessem aparecer na TV ou algo do gênero". "Eles estavam absortos, mais preocupados com que suas fotos fossem tiradas, correndo para cima e para baixo da rua."

À BBC, uma testemunha identificada como Thomas disse que chegou ao local do crime após ouvir disparos: "Basicamente dois homens atacaram com uma machadinha um jovem cadete em frente ao público."

David Dixon, um professor local, afirmou à BBC que, assim que saiu do portão da escola, viu um corpo caído na rua. Ele então ouviu barulho de tiros e instruiu os funcionários a fechar todos os portões da escola. O helicóptero do socorro aterrissou no parque do colégio e a maioria das crianças foi enviada de volta para suas casas.

Com AP e BBC

Leia tudo sobre: woolwichataquelondres

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas