Ataque atinge mesquita sunita no Iraque e deixa ao menos 40 mortos

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em ataque separado, explosão de bomba durante funeral sunita mata sete ao sul de Bagdá. Violência sectária aumentou no país desde ação policial no norte do país no mês passado

Um ataque a bomba deixou ao menos 40 mortos e 56 feridos em frente a uma mesquita sunita em Baquba, a cerca de 50 km a nordeste de Bagdá, disseram a polícia e os paramédicos. Os fiéis foram atingidos quando saíam do local após as preces de sexta-feira. Posteriormente, a polícia informou que a explosão de uma bomba deixou ao menos sete mortos e 11 feridos em um funeral sunita ao sul de Bagdá.

Quinta: Ataques e confrontos entre Exército e forças tribais aumentam tensão no Iraque

AP
Iraquianos são vistos em local de ataque em Baquba, nordeste de Bagdá

Cenário: Violência pode levar à desintegração do Iraque

O ataque em Baquba acontece depois de dois dias de ataques, muitos em distritos xiitas, deixarem mais de 50 mortos. Na quinta, um homem-bomba deixou ao menos oito mortos ao detonar seus explosivos em uma mesquita xiita em Kirkuk, norte do Iraque, durante a realização de um funeral por pessoas mortas na cidade no dia anterior.

Horas antes disso, ataques com carros-bomba mataram aos menos 12 em distritos xiitas da capital. Na quarta, atentados à bomba deixaram ao menos 34 mortos em todo o país, em áreas em sua maioria xiitas.

NYT: Conflitos no Iraque evocam temores de nova guerra civil

ONU: Abril foi mês mais sangrento no Iraque desde 2008

Ataques contra mesquitas sunitas e xiitas, forças de segurança e líderes tribais proliferaram desde policiais invadiram há um mês um acampamento de protesto sunita na cidade de Hawija, perto de Kirkuk, deixando 50 mortos. A ação policial desencadeou confrontos e aumentou os temores de que o país esteja se encaminhando para uma nova rodada de violência sectária.

O Iraque tornou-se mais volátil com a guerra civil na vizinha Síria tensionando as frágeis relações entre sunitas e xiitas. As tensões estão agora em seu nível mais alto desde a retirada das últimas tropas dos EUA, no final de 2011.

*Com AP, Reuters e BBC

Leia tudo sobre: iraquesunitasxiitasviolência sectáriasectária

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas