Rússia convoca embaixador americano após suposto caso de espionagem

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

País faz protesto formal a Michael McFaul depois de ordenar a expulsão de diplomata acusado de tentar recrutar agente russo para CIA

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia convocou nesta quarta-feira (15) o emabixador norte-americano do país para fazer um protesto formal após a detenção de um diplomata dos EUA que supostamente tentou recrutar um agente russo para a CIA.

Terça-feira: Diplomata americano é detido na Rússia acusado de espionagem

Em 2011: FBI divulga imagens de espiões russos em ação

AP
Embaixador americano para a Rússia Michael McFaul deixa a sede do Ministério das Relações Exteriores em Moscou

O embaixador McFaul entrou no prédio do ministério no centro de Moscou na manhã desta quarta e deixou o local cerca de meia hora depois sem fazer quaisquer comentários aos jornalistas que aguardavam do lado de fora do complexo. Em comunicado, a chancelaria disse que o vice-ministro das Relações Exteriores russo entregou um protesto a McFaul na reunião, durante a qual eles também discutiram outras questões internacionais.

Em 2010: EUA e Rússia realizam maior troca de espiões pós-Guerra Fria

Autoridades do Serviço de Segurança da Rússia (FSB, antiga KGB) afirmaram na terça-feira que Ryan Fogle, terceiro secretário na emabaixada americana, foi brevemente detido. Segundo o FSB, ele carregava consigo equipamento técnico especial, disfarces, instruções por escrito e uma grande quantia de dinheiro. Fogle foi depois entregue a autoridades da embaixada americana.

McFaul teve uma trajetória conflitante com Moscou desde que ele assumiu o cargo em janeiro de 2012. Ele provocou a ira das autoridades russas quando um dos seus primeiros atos foi convidar um grupo de ativistas da oposição e advogados de direitos humanos para a embaixada. Depois, McFaul foi criticado por afirmar categoricamente que a Rússia havia oferecido dinheiro para o líder do Quirguistão para que ele retirasse uma base dos EUA de seu território.

Aos 90 anos: Agente duplo da Guerra Fria leva vida 'feliz' na Rússia

Leia mais: EUA acusam 11 de espionagem e venda de material militar para a Rússia

A detenção de Fogle foi o primeiro caso de um diplomata americano em Moscou publicamente acusado de espionagem em dez anos. O Departamento de Estado americano confirmou apenas que Fogle trabalhava como funcionário da embaixada, mas não deu detalhes sobre seu histórico ou sua função na Rússia. A CIA se recusou a comentar o caso.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia prontamente declarou Fogle persona non grata e ordenou que ele deixasse o país imediatamente. Ele possui imunidade diplomática, o que o protege de ser preso.

Apesar do fim da Guerra Fria (1945-1991), a Rússia e os EUA mantêm operações de espionagem ativas um contra o outro. No ano passado, vários russos foram condenados em casos separados a longas sentenças por trabalharem como espiões para os EUA.

Leia também: Engenheiro russo é condenado por fornecer informações à CIA

AP
Ryan Fogle, terceiro secretário da Embaixada dos EUA em Moscou, é retratado pelo Serviço de Segurança russo

Com AP

Leia tudo sobre: rússiaeuaespionagemCIA

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas