Cerca de 800 mil pessoas passam fome e precisam de socorro no Níger

Por Reuters - |

compartilhe

Tamanho do texto

A situação é crítica em 13 regiões pesquisadas pelo governo

Reuters

New York Times
Problema no fornecimento de cereais agravou fome no Níger

Devido a problemas no fornecimento de cereais aos mercados, cerca de 800 mil pessoas precisarão de auxílio alimentar no Níger nos próximos meses, apesar de uma boa colheita no ano passado. Segundo a Organização das Nações Unidas, um influxo de refugiados malineses agravaou a crise.

Leia também: Níger é o pior lugar do mundo para ser mãe, revela estudo

O escritório da ONU para coordenação humanitária (OCHA, na sigla em inglês) disse que elas necessitarão de alimentos desde já até o início da próxima temporada de chuvas, que geralmente ocorre em julho e agosto.

A agência afirmou que a situação é crítica em 13 regiões pesquisadas pelo governo em março, onde 84 mil pessoas precisam de auxílio alimentar emergencial.

Assista - Grupo declara guerra por petróleo no Niger:

O OCHA citou problemas no fornecimento de alimentos aos mercados em algumas áreas --como a região mineradora de Arlit, no norte do país, Tahoua, no centro do Níger, e Tillabery, no oeste-- que elevaram os preços de cereais.

Escassez recorrente nos últimos anos forçou pastores a vender gado, incluindo valiosas fêmeas mantidas, normalmente, para reprodução, reduzindo sua resistência a choques alimentares.

A presença de cerca de 60 mil refugiados do Mali --onde uma missão internacional liderada pela França tem batalhado rebeldes islamistas desde janeiro-- exacerbou a escassez de alimentos em Tillaberry e Tahoua, disse o OCHA.

Em 2011, a nação desértica sem acesso ao mar foi afligida pela fome, que afetou quase 6 milhões de pessoas --cerca de um terço de sua população--, em função de uma seca que coincidiu com o retorno de emigrantes que fugiam de conflitos na Líbia e na Costa do Marfim.

O Níger recorreu a doadores internacionais por 354 milhões de dólares em fevereiro para combater a crise alimentícia deste ano, frente a 490 milhões de dólares em 2012 --apenas dois terços dos quais foram recebidos--, disse o OCHA.

(Reportagem de Abdoulaye Massalatchi)

Leia tudo sobre: NIGERFOMEONU

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas