Carros-bomba matam dezenas em cidade turca na fronteira com a Síria

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Prefeito de Reyhanli, cidade que fica próxima a fronteira com a Síria, disse que uma das explosões aconteceu perto de um prédio da administração municipal

A explosão de dois carros-bomba matou cerca de 40 pessoas na cidade de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria, neste sábado (11), aumentando os temores de que a guerra civil na Síria esteja se espalhando em direção aos seus vizinhos. As bombas atingiram ruas lotadas no início da tarde em Reyhanli, explodindo carros e blocos de concreto na cidade no sul da província turca de Hatay, lar de milhares de refugiados sírios.

Leia também: Rebeldes curdos iniciam retirada da Turquia, diz líder de partido

Explosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixou dezenas de mortos neste sábado (11). Foto: ReutersMulher ferida é retirada de local onde um carro-bomba explodiu em Reyhanli . Foto: ReutersDezenas de pessoas morreram na cidade situada a poucos quilômetros de um importante posto fronteiriço com a Síria. Foto: ReutersEstrutura de um dos prédios atingidos ficou muito danificada. Foto: ReutersPopulação se reúne no local da explosão em Reyhanli, na Turquia, fronteira com a Síria. Foto: APBombeiros tentam apagar incêndio após explosão na cidade turca de Reyhanli. Foto: ReutersVeículos atingidos pelo incêndio ocorrido após as explosões. Foto: ReutersSoldados impedem a aproximação em uma das áreas onde ocorreu uma explosão neste sábado (11) . Foto: Reuters

O governo do presidente Bashar al-Assad foi o "suspeito usual" dos ataques, disse o vice-primeiro-ministro turco, Bulent Arinc. "Sabemos que as pessoas que se refugiam em Hatay tornaram-se alvos do regimo sírio", disse Arinc em declarações transmitidas na televisão turca. "Nós os consideramos os suspeitos usuais quando se trata de planejar um ataque tão horrível".

Nenhum grupo assumiu imediatamente a responsabilidade pelo atentado. Não houve tampouco declarações de Damasco. A Turquia apoia a revolta contra o presidente sírio Bashar al-Assad, agora em seu terceiro ano, e já acolheu refugiados e rebeldes sírios.

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Ahmet Davutoglu, afirmou não haver informações sobre a coincidência entre os ataques num momento em que há esforços diplomáticos para acabar com a intensificação do conflito.

"Talvez haja pessoas que queiram sabotar a paz na Turquia, mas não vamos permitir que isso ocorra", disse Davutoglu a repórteres durante visita a Berlim. "Ninguém deveria testar o poder da Turquia. Nossas forças de segurança farão tudo o que for necessário."

Mais: Exames em sírios mostram sinais de uso de armas químicas, diz Turquia

Reuters
Explosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixou dezenas de mortos neste sábado (11)

Imagens de televisão mostraram janelas quebradas e fumaça depois das explosões. A agência de notícias Dogan disse que houve quatro explosões, mas uma autoridade de Reyhanli disse à Reuters que ouviu apenas duas explosões.

As explosões ocorreram um dia depois da divulgação de que nas fileiras da organização terrorista Al Qaeda estão cerca de 2 mil cidadãos turcos, que vivem no próprio país, segundo o jornal diário Cumhuriyet.

Segundo o jornal turco, um relatório da Organização Nacional de Inteligência da Turquia afirma que 2 mil turcos receberam treino militar em bases da Al Qaeda no Afeganistão, no Paquistão, na Bósnia e na Chechênia, e que depois regressaram ao seu país para formarem células do grupo.

Nos relatórios dos serviços de inteligência turcos também há uma referência ao grupo radical islâmico Hezb Ut Tahrir, que se apresenta como uma organização política mas que dispõe de milícias armadas que participaram na luta contra o regime do presidente Bashar Al Assad, na Síria.

Com informações da Reuters e AP

Leia tudo sobre: turquiaatentadoexplosões

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas