Número de mortos em desabamento em Bangladesh passa de 800

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Estado de decomposição de dezenas de corpos encontrados estava tão avançado que foram necessários testes de DNA para reconhecimento

O número de mortos no desabamento de um prédio que abrigava oficinas de costura em Bangçladesh passou de 800, informou a polícia nesta quarta-feira. Segundo as equipes de resgate, dezenas de corpos recuperados estavam em estado de decomposição tão avançado que tiveram de ser enviados a um laboratório para identificação através do DNA.

Na berlinda: Empresas ocidentais ficam sob pressão por desabamento em Bangladesh

AP
Funcionária de uma fábrica do Rana Plaza, em Bangladesh, segura seu filho enquanto aguarda o recebimento do seu pagamento

Ira: Advogados e público pedem enforcamento de dono de prédio em Bangladesh

Após protestos, autoridades também começaram a pagar salários e outros benefícios aos sobreviventes da tragédia no subúrbio de Savar, em Daca. A polícia informou que 803 corpos foram recuperados dos destroços do edifício Rana Plaza, que desabou em 24 de abril.

Ainda não há indicações de quantos corpos continuam presos nos destroços, porque o número exato de funcionários que estavam dentro do prédio no momento do desmoronamento é incerto. Mais de 2,5 mil foram resgatados com vida.

A Associação de Manufaturas e Exportadores de Bangladesh mais cedo informou que 3.122 trabalhadores estavam empregados nas cinco fábricas têxteis do prédio, mas não estava certo quantos deles estavam no prédio na manhã do desabamento.

Drama: Garota que ficou sob escombros por 4 dias 'esperava a morte'

O major-general Chowdhury Hasan Suhrawardy disse que a operação para recuperar corpos dos destroços continuaria por mais dois ou três dias até que eles pediriam para o governo municipal tomar conta do local.

Suhrawardy disse que as equipes tiveram que enviar 36 corpos em decomposição ao hospital universitário de Daca para que amostras de DNA fossem coletadas, porque era impossível identificá-los. Era esperado que outros corpos precisassem ser submetidos a testes nos próximos dias, uma vez que a temperatura em Daca está em torno dos 30ºC, com ocasionais chuvas - o que acelera a putrefação dos corpos.

O desastre é o pior do setor têxtil na história mundial, superando a tragédia em 1911 na fábrica de Nova York Triangle Shirtwaist, que deixou 146 mortos, e outros incidentes como o incêndio no Paquistão que matou 260 e outro, também em Bangladesh, que vitimou 112 em 2012. É também um dos incidentes industriais mais mortais de todos os tempos.

Sohel Rana: Dono de prédio que desabou em Bangladesh representa império do crime

1º de Maio: Após desabamento de fábrica, trabalhadores protestam em Bangladesh

Depois que trabalhadores das fábricas do Rana Plaza terem protestado por compensação, autoridades começaram a pagar os salários e outros benefícios. Segundo Suhrawardy, cerca de 400 trabalhadores se reuniram na quinta-feira à noite para receber seus pagamentos. A maioria dos funcionários recebia o salário mínimo do país, de US$ 38 por mês (R$ 76), e exigia o recebimento de quatro meses de pagamento.

As fábricas que estavam no prédio produziam mercadorias vendidas por grandes varejistas ao redor do mundo.

As exportações de produtos têxteis rendem para Bangladesh US$ 20 bilhões por ano. Os principais destinos dessas produções são os EUA e a Europa. Autoridades não divulgaram um cronograma específico para o fim das operações de resgate, dizendo que continuariam até que todos os corpos e destroços sejam removidos.

Negligência: Fábricas ignoraram alerta de risco um dia antes de desabamento

Segundo autoridades do país, o proprietário do prédio, Sohel Rana, que está preso, acrescentou ilegalmente três andares ao Rana Plaza e permitiu que as fábricas instalassem máquinas e geradores muito pesados para a estrutura do edifício. Ele também é acusado de ter ignorado uma ordem da polícia para esvaziar o prédio um dia antes do desabamento. Havia fissuras visíveis nas paredes, mas Rana teria dito que o edifício era seguro.

Com AP

Leia tudo sobre: bangladeshdesabamentodacarana plazasohel rana

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas