Número de mortos em desabamento de prédio em Bangladesh passa de 500

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Ministro das Finanças do país afirmou que o desabamento do edifício, que abrigava fábricas têxteis, não foi 'realmente sério' e foi um 'acidente'

O número de mortos no desabamento do prédio em Bangladesh passou de 500, informaram autoridades da polícia nesta sexta-feira (3). O edifício, que ruiu há nove dias, abrigava fábricas têxteis e o desastre já é considerado o pior do setor no país.

Equipes de busca resgataram dezenas de corpos em decomposição dos escombros do prédio, elevando o número total de mortos para 501, segundo Jitenfra Kumar Nath, uma autoridade da administração de Daca, capital nacional.

Leia mais: Após desabamento de fábrica, trabalhadores protestam em Bangladesh

Bangladesh: Garota que ficou sob escombros por 4 dias 'esperava a morte'

AP
Mulher segura retrato de sua filha desaparecida após desabamento de prédio em Bangladesh

Autoridades disseram que mais de 2,4 mil pessoas foram resgatadas com vida dos destroços desde o desabamento em Savar, subúrbio de Daca. O número de corpos recuperados aumentou nos últimos dias, porque trabalhadores começaram a usar maquinaria pesada para remover os blocos de concreto e ferro. Não está claro quantos corpos ainda estão soterrados.

"Ainda estamos procedendo com cuidado para conseguir recuperar os corpos intactos", disse o major-general Chowdhury Hassan Suhwardy, que coordena as operações de resgate.

Leia mais: Advogados e público pedem enforcamento de dono de prédio em Bangladesh

Rana: Dono da fábrica que desabou em Bangladesh é preso tentando fugir

O ministro das Finanças Abul Maal Abdul Muhith minimizou o impacto do desabamento do prédio na economia do país, afirmando que não achava o incidente "realmente sério". Durante uma visita à capital da Índia, Nova Délhi, Mihith disse que o desastre não prejudicaria a indústria têxtil de Bangladesh, uma das maiores do mundo.

"As dificuldades presentes...bem, não acho que seja realmente sério - é um acidente", disse. "E os passos que tomamos para garantir que não aconteça de novo estão bem elaborados e acredito que todos aprovarão."

Quando questionado se estava preocupado que varejistas estrangeiros pudessem retirar os pedidos das fábricas do país, Muhith disse que não: "Esses são casos individuais de...acidentes. Acontece em todo lugar."

Negligência: Fábricas ignoraram alerta de risco um dia antes de desabamento

Um investigador do governo disse nesta sexta-feira que materiais de construção com baixa qualidade e as máquinas pesadas usadas nas cinco fábricas dentro do prédio provocaram o desabamento.

Cerca de 15 minutos antes do desabamento, houve um queda de energia, então os geradores foram acionados, abalando as estruturas já fracas da construção. "A vibração provocada pelas máquinas e geradores operando nas cinco fábricas têxteis contribuíram primeiro para as fissuras e, então, para o desabamento", disse.

O policial Ohiduzzaman disse na sexta-feira que o engenheiro Abdur Razzak Khan foi preso acusado de negligência. Segundo ele, Khan trabalhava como consultor do proprietário do prédio Rana Plaza, Mohammed Sohel Rana. Khan, um antigo engenheiro da Universidade Jahangirnagar disse ter avisado aos engenheiros do governo que o prédio precisava ser reformado.

A polícia ordenou que o prédio fosse esvaziado, mas testemunhas disseram que o proprietário afirmou às pessoas reunidas no prédio na manhã seguinte que o edifício estava seguro. Horas depois, a construção desabou.

As autoridades também suspenderam o prefeito de Savar, Mohammad Refatullah, por suposta negligência, segundo informou Abu Alam, autoridade da secretária de governo local.

Rana foi preso acusado de negligência, construção ilegal, e por forçar funcionários a trabalhar, crimes que levam à punição de, no máximo, sete anos. A Suprema Corte de Bangladesh ordenou que o governo confiscasse as propriedades de Rana e congelasse os bens dos donos das fábricas de dentro do prédio para que o dinheiro possa pagar os salários dos funcionários.

Com AP

Leia tudo sobre: bangladeshprédiodesabamentofábrica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas