Dono da fábrica que desabou em Bangladesh é preso tentando fugir

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Mohammed Sohel Rana tentava ir para a Índia quando foi detido e agora vai responder por falha na construção e por causar mortes

Reuters

O dono da fábrica que desabou em Bangladesh, matando centenas de trabalhadores, foi preso neste domingo, quando tentava fugir para a Índia. A esperança de se encontrar mais sobreviventes nos destroços do prédio começa a diminuir.

Outros presos:
dois chefes da fábrica e dois engenheiros também são detidos 

Mohammed Sohel Rana foi preso por uma força de elite na cidade fronteiriça de Benapole, disse à Reuters Haibiur Rahman, comandante de polícia de Dhaka. A busca por Rana começou na quarta-feira quando a fábrica que vendia roupas para lojas ocidentais desabou.

Negligência: Fábricas de Bangladesh ignoraram alerta de risco antes de desabamento

A TV mostrou Rana, um líder local da situacionista Liga Awami, sendo transportado de helicóptero para a capital Daca. Ele será indiciado por construção falha e por causar mortes.

O último número de mortos divulgado pelas autoridades é 377, mas esse total deve aumentar, já que há centenas de desaparecidos.

Reuters
Familiares de desaparecidos carregam fotos de trabalhadores que podem estar sob escombros de fábrica desabada

Neste domingo, quatro pessoas foram resgatadas com vida depois de passar cem horas debaixo dos destroços. Os serviços de emergência trabalham em ritmo acelerado para tentar salvar mais gente.

"As chances de encontrarmos pessoas vivas se reduzem. Assim, temos que acelerar o resgate para salvar quantas vidas pudermos", disse Chowdhury Hassan Sohrawardi, militar que coordena as operações de salvamento.

Cerca de 2.500 pessoas foram resgatadas dos destroços do prédio, no subúrbio de Savar, a 30 quilômetros de Daca.

Autoridades disseram que a edificação de oito andares foi construída sobre terreno poroso sem as licenças necessárias. Mais de 3 mil trabalhadores, principalmente mulheres jovens, entraram no prédio na manhã de quarta-feira, apesar dos alertas de que a estrutura não era segura.

Um banco e lojas no mesmo prédio tinham fechado, depois que um abalo foi sentido e rachaduras foram percebidas em alguns pilares na terça-feira.

Protestos motivados pelo desastre foram reprimidos com gás, canhões de água e balas de borracha. Carros foram queimados pelos manifestantes.

Operários do setor de vestuário bloquearam uma rodovia neste domingo para exigir pena capital para os donos do fábrica. A oposição convocou uma greve geral para 2 de maio em protesto contra o desabamento.

Leia tudo sobre: Bangladeshfábricadesabamento

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas