Casa Branca apresenta paródia biográfica de Obama, dirigida por Spielberg

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente dos EUA se travestiu de ator em tradicional jantar anual da Associação de Correspondentes da Casa Branca

BBC

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, se voltou à comédia na noite do sábado ao fazer graça consigo mesmo e com seus adversários durante o tradicional jantar anual da Associação de Correspondentes da Casa Branca, em Washington. Além das piadas no estilo comédia stand-up, Obama também se travestiu de ator para uma paródia em um imaginário trailer de sua cinebiografia, dirigida por Steven Spielberg e com Daniel Day Lewis no papel do protagonista. Além de Spielberg no papel de si mesmo e Obama no papel de Daniel Day Lewis fazendo o papel de Obama, o trailer traz também a participação do ator Tracy Morgan comentando sua atuação como o vice-presidente Joe Biden.

AP
Encontro com jornalistas na Casa Branca foi descontraído

Para uma audiência que incluía, além de jornalistas e políticos, celebridades como o cantor sul-coreano Psy e os atores Kevin Spacey, Scarlett Johannson e Claire Danes, Obama conseguiu arrancar várias gargalhadas com suas tiradas. "Não sou mais o jovem socialista muçulmano que eu costumava ser", brincou, em referência às acusações que sofre de conservadores em relação a suas convicções políticas e filiação religiosa.

Ele sugeriu que se os republicanos querem mudar a imagem em relação às minorias do país, poderiam começar com ele. Obama também afirmou que, para melhorar sua imagem pública, estava pensando em tomar emprestado um truque de sua mulher, Michelle. Nesse momento, o telão mostrou várias fotos nas quais o presidente aparecia com uma franja semelhante à da primeira-dama.

O presidente também adotou um tom mais sério ao prestar uma homenagem às vítimas dos atentados durante a Maratona de Boston, há duas semanas, e da explosão na fábrica de fertilizantes de West, no Texas, poucos dias depois. Entre suas outras piadas, Obama debochou também da rede CNN, que havia informado de maneira equivocada a suposta prisão de um suspeito das explosões em Boston antes que ela ocorresse. "Admiro o compromisso da CNN de cobrir todos os lados da notícia, para o caso de que um deles seja preciso", afirmou.

Leia tudo sobre: ObamaEUA

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas