Obama e antecessores homenageiam Bush em inauguração de biblioteca

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Inauguração de Centro Presidencial no Texas enfatiza atuação decidida de Bush contra o terrorismo e evita menções a polêmicas como a invasão do Iraque

George W. Bush (2001-2009), 66, foi tratado nesta quinta-feira com calorosos elogios pelo presidente americano, Barack Obama, e por seus três antecessores ainda vivos durante a cerimônia de inauguração de sua biblioteca presidencial. O evento enfatizou a atuação decidida de Bush contra o terrorismo e evitou menções a polêmicas como a invasão do Iraque.

Entrevista: Bush diz que reação lenta ao 11 de Setembro foi para evitar pânico

AP
Ex-presidente dos EUA George H.W. Bush (E) aplaude com Laura Bush depois de discurso de ex-presidente George W. Bush em inauguração de seu centro presidencial

Obama e os também democratas Bill Clinton (1993-2001) e Jimmy Carter (1977-1981), juntamente com o pai de Bush, o republicano George H.W. Bush (1989-1993), reuniram-se no campus da Universidade Metodista do Sul, em Dallas (Texas), para homenageá-lo.

No fim da cerimônia de uma hora, Bush, que tem evitado compromissos públicos desde que deixou Washington, em janeiro de 2009, conteve as lágrimas ao encerrar seu pronunciamento.

Obama compreendeu o espírito do dia ao declarar que aliados e adversários de Bush veem o ex-presidente como um político genuíno. "Conhecer o homem é gostar do homem, porque ele está confortável na própria pele", afirmou o democrata. "Ele leva seu trabalho a sério, mas não se leva demasiadamente a sério. Ele é um bom homem."

O republicano Bush foi um dos presidentes mais impopulares da história do país e deixou o cargo com apenas 33% de aprovação. Mas o tempo contribuiu para melhorar sua imagem, e uma recente pesquisa Washington Post/ABC News deu a ele um índice de aprovação de 47%, semelhante ao do próprio Obama.

2012: Obama recebe Bush na Casa Branca e evita críticas

Em seu discurso, Bush aludiu às escolhas difíceis que precisou tomar como presidente, tema que permeia várias exposições da biblioteca. "Uma das coisas na democracia é que as pessoas são livres para discordar. É justo dizer que dei às pessoas muitas oportunidades para exercer esse direito", afirmou com uma risada discreta.

A biblioteca de 18.550 m² é o segundo motivo para o ex-presidente ter voltado aos holofotes neste mês. No fim de semana dos dias 13 e 14 de abril, ele apareceu em uma série de imagens registradas no hospital com sua nova neta, Mila, filha de Jenna e Henry Hager.

Antes comandante-chefe em tempos de guerra, agora Bush é um avô coruja, assim como um pintor amador. Ao deixar para trás seus seus oito anos como presidente, ele tenta promover causas ainda importantes para si mesmo – e ao mesmo tempo permanecer fora do que caracteriza de "pântano" da política nacional.

"Um dos desafios da vida é que, quando se termina um capítulo, não se pode deixar tudo para trás e simplesmente parar, temos de continuar encontrando formas de contribuir", disse Bush ao jornal The Dallas Morning News em entrevista recente.

Mesmo antes de completar a biblioteca presidencial inaugurada nesta quinta, Bush vinha trabalhando por meio de seu instituto de políticas públicas em formas de incentivar o crescimento econômico, promover a democracia no exterior e combater doenças na África. O ex-presidente também passa muito tempo com os veteranos de guerra, promovendo longos passeios de bicicleta dos "guerreiros feridos" em todo o Texas.

AP
Presidente dos EUA, Barack Obama, ri sentado entre sua mulher, Michelle, e a ex-primeira-dama Barbara Bush durante inauguração de Centro Presidencial George W. Bush

Ao longo do tempo, ele arrecadou mais de US$ 500 milhões para seu centro presidencial, que ocupa 9 hectares no campus da Universidade Metodista do Sul e também tem um instituto, além da biblioteca e de um museu. Depois da cerimônia de inauguração nesta quinta, a biblioteca e o museu serão abertos ao público em 1º de maio.

Na entrevista ao Dallas Morning News, Bush não expressou nenhum arrependimento e disse que seu histórico resistiria ao teste do tempo. Embora "ninguém goste de ser criticado o tempo todo", ele ignora os ataques que sofre até hoje.

"Estou confortável com o que fiz", disse. "Estou confortável com quem sou", disse, acrescentando: "Grande parte da minha presidência foi definida por coisas que você não necessariamente quer que aconteça."

A inauguração da biblioteca ocorreu apenas alguns dias depois do início da próxima geração de sua família. Margaret Laura Hager, batizada em homenagem a suas duas avós e apelidada de Mila, nasceu pesando 2,8 quilos. O programa "Today", da rede de televisão NBC, em que Jenna Hager trabalha como correspondente, mostrou imagens da família de Bush e sua esposa, Laura, com o novo bebê e seus pais.

Em uma das imagens, Bush segurava Mila embrulhada em uma manta de bebê e usando um boné enquanto Laura Bush o abraçava. "Nossa família está muito feliz", disse o ex-presidente em um comunicado.

*Com Reuters e New York Times

Leia tudo sobre: euabushbiblioteca presidencialcentro presidencial

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas