Chancelaria rejeita informações de que elementos da Al-Qaeda no Irã teriam ajudado militantes no Canadá afirmando que rede terrorista não compartilha ideologia iraniana

O Irã negou nesta terça-feira envolvimento em um complô para sabotar um trem de passageiros no Canadá que a polícia diz ter recebido apoio de elementos da rede terrorista Al-Qaeda no Irã.

Segunda: Canadá frustra ataque contra trem 'inspirado na Al-Qaeda'

Segurança revista homem em corte de justiça de Montreal, onde comparecerá nesta terça suspeito de complô terrorista
AP
Segurança revista homem em corte de justiça de Montreal, onde comparecerá nesta terça suspeito de complô terrorista

Nos EUA: Explosões na Maratona de Boston deixam ao menos três mortos

A polícia canadense disse não haver nenhuma indicação de que o plano de atentado tenha sido patrocinado pelo Estado iraniano, país com o qual o Canadá cortou relações diplomáticas no ano passado. O Irã, no entanto, reagiu com irritação.

"Nenhum resquício de evidência em relação àqueles que foram presos e acusados foi fornecido", disse o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores do Irã, Ramin Mehmanparast, segundo a agência de notícias Mehr.

Segundo ele, as informações de ligação com a Al-Qaeda não são de forma alguma consistentes com a República Islâmica, e acrescentou que o Irã é contra "qualquer tipo de ação violenta que ponha vidas em perigo". Segundo o Irã, grupos como a Al-Qaeda não compartilham a ideologia iraniana.

Tsarnaev:  Ataque a Boston teria motivação religiosa, indica suspeito em interrogatório

"Nos últimos anos, o governo radical do Canadá colocou em prática um projeto para perseguir o Irã e é claro que tem buscado essas ações hostis", acrescentou.

Em setembro, o Canadá cortou relações diplomáticas com o Irã por causa do programa nuclear iraniano, sua hostilidade em relação a Israel e por causa do que Ottawa classificou como apoio do Irã a grupos terroristas.

Autoridades americanas disseram que o ataque teria como alvo uma linha de trem entre Nova York e Toronto, rota que percorre o Vale do Hudson por Nova York e entra no Canadá perto de Niagara Falls.

Dois suspeitos foram presos. Chiheb Esseghaier, de 30 anos, de Montreal, e Raed Jaser, de 35 anos, de Toronto, foram acusados pela polícia canadense de ter ligação com facções extremistas da Al-Qaeda com base no Irã.

Jaser compareceu brevemente a uma corte de justiça de Toronto nesta terça. Ele não se declarou culpado ou inocente e aparecerá novamente perante um tribunal em 23 de maio. Esseghaier comparecerá perante uma corte em Montreal ainda nesta terça.

Nenhum dos suspeitos é cidadão canadense, mas a polícia não revelou suas nacionalidades. Segundo as autoridades, ambos passaram a ser investigados após uma denúncia da comunidade muçulmana em Toronto.

Pouco se sabe sobre Jaser, mas um porta-voz do Institut National de la Recherche Scientifique, perto de Montreal, confirmou à Reuters que Esseghaier, supostamente da Tunísia, era um estudante de doutorado no instituto de pesquisa.

*Com Reuters e AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.