Suspeito de ataque em Boston era sociável, diz colega de faculdade ao iG

Por Bruna Carvalho - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo Katie Horan, o mais intrigante é que não ficou claro para ninguém que convivia com Dzhokhar Tsarnaev o que teria motivado o rapaz de 19 anos a lançar o ataque

Katie Horan, 19 anos, foi obrigada a deixar seu dormitório na Universidade de Dartmouth às 7h45 de sexta-feira (19). Sem compreender direito a ordem, ela saiu de seu quarto no prédio Pine Dale, somente com suas chaves, sem sua carteira ou sua habilitação.

Foi quando Katie e seus amigos viram na TV, pela primeira vez, a foto de Dzhokhar Tsarnaev, 19 anos, identificado como um dos suspeitos do ataque à Maratona de Boston, lançado quatro dias antes.

Leia também: Suspeito por ataque em Boston é indiciado em corte civil

AP
Indiciado pelo ataque à Maratona de Boston, Dzhokhar Tsarnaev aparece em foto sem data

Saiba mais: Boston marca uma semana do ataque à maratona com minuto de silêncio

Ataque em Boston: O que se sabe até agora dos irmãos Tsarnaev

"Todo mundo ficou dizendo: 'Não pode ser, não pode ser'", disse Katie por telefone ao iG. "Honestamente, fiquei atormentada. Nem sabia o que pensar."

A aluna do segundo ano da universidade mora em um dormitório perto ao de Dzhokhar, que estudava em Dartmouth. Eles não eram exatamente amigos, mas se encontravam em festas da faculdade e tinham colegas em comum.

Fim da caçada: EUA prendem suspeito de ataque em Boston

Das vezes em que encontrou o aluno de origem chechena, Katie relembra que ele possuía um comportamento bastante comum e sociável. "O mais inquietante nessa história toda é que ninguém tem qualquer indicação sobre o que o motivou a fazer isso", afirmou. "É chocante pensar que uma coisa dessas aconteceu tão perto de casa."

Na tarde do dia 15, duas bombas explodiram como uma diferença de pouco mais de dez segundo perto da linha de chegada da Maratona de Boston, no Estado de Massachusetts. O ataque, lançado com duas bombas caseiras dentro de panelas de pressão, deixou três mortos - um menino de 8 anos, uma gerente de restaurante de 29 anos, e uma estudante chinesa de 23 anos - e quase 180 feridos.

Registro: Sem querer, maratonista em Boston fotografou suspeito no dia do ataque

Ataque em Boston: Veja cronologia dos principais acontecimentos

Depois que o FBI divulgou as fotos dos suspeitos, Tamerlan Tsarnaev, 26 anos, e seu irmão mais novo, Dhzokhar, 19 anos, iniciaram um plano de fuga que acabou nas mortes de um policial e do Tsarnaev mais velho.

Dhzokhar se tornou alvo de uma megacaçada de 23 horas, envolvendo a polícia local, agentes federais e helicópteros. Após ter sido encontrado ferido dentro de um barco no subúrbio de Watertown, ele foi preso. Indiciado, ele se recupera no hospital de ferimentos na cabeça, garganta, pernas e mão. Por causa do ferimento na garganta, o suspeito não consegue falar.

Veja imagens da caçada a Dzhokhar Tsarnaev:

Policial sorri e outro faz sinal de positivo após prisão de suspeito por ataque em Boston. Foto: APImagens cedidas pela CBS mostram momento em que Dzhokhar Tsarnaev sai do barco. Foto: Reprodução/BBCMulheres comemoram depois de prisão de suspeito por ataque em Boston. Foto: APCom rosto abatido, presidente dos EUA, Barack Obama, faz pronunciamento após prisão de suspeito que estava foragido em Boston. Foto: APPolícia observa enquanto ambulância deixa rua Franklin no fim da caçada por Dzhokhar Tsarnaev, suspeito de ataque em Boston. Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra Dzhokhar Tsarnaev, suspeito por ataque em Maratona de Boston, em ambulância depois de ser capturado em barco. Foto: APPolicial monta guarda em local de busca de suspeito por ataque a Maratona de Boston
. Foto: APPoliciais buscam suspeito por ataque a Maratona de Boston em  Watertown, Massachusetts. Foto: APSuspeito de ataque foi cercado no quintal de uma casa na Rua Franklin, em Watertown, e se escondeu dentro de um barco. Foto: Reprodução/Google MapsPoliciais são vistos durante cerco a suspeito por ataque em Boston. Foto: APMoradores de Watertown acompanham cerco da polícia à distância. Foto: APEquipe da Swat marcha em bairro enquanto fazem buscas por suspeito de ataque em Boston em Watertown, Massachusetts. Foto: APPoliciais da SWAT vasculham casas em Watertown, em Massachusetts, em busca de suspeito de atentato em Boston. Foto: ReutersMulher observa pela janela movimentação de policiais em busca de suspeitos no subúrbio de Watertown. Foto: ReutersMoradores de Watertown acompanham da janela ação de policiais. Foto: APPolícia caça segundo suspeito de ataque na Maratona de Boston, na última segunda-feira. Foto: ReutersPolicial toma posição em caçada a suspeito de atentato . Foto: ReutersRuas foram interditadas, escolas fechadas e sistema de transporte público suspenso nesta sexta-feira. Foto: ReutersTécnicos em bombas inspecionam ruas em Watertown. Foto: ReutersPoliciais caçam segundo suspeito em Watertown, Massachusetts. Foto: APPoliciais param carros em busca de suspeito de atentados. Foto: APFuncionário fecha porta de estação de trem após recomendação da polícia. Foto: APPolicial corre com a arma na mão em busca de suspeito em Watertown. Foto: AP

Leia mais: Pai de suspeitos de ataque em Boston defende inocência de filhos

Como nasceram no Cáucaso russo, região fértil para o terrorismo, logo surgiram questionamentos sobre a relação dos dois irmãos com alguma militância fundamentalista.

"Religião não é um tema comum nas conversas quando você tem 19 anos. (Se Dzhokhar falasse sobre isso), alguém teria notado", relata Katie, insistindo que não havia nada estranho em seu comportamento. Ele era, segundo Katie, um aluno popular com quem ela convivia facilmente. "É assustador pensar que alguém com quem você se socializava com tanta facilidade esteja envolvida em algo assim."

Leia tudo sobre: ataque em bostonbostoneuatsarnaevchechêniacáucaso

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas